Google Translate

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Odisseia de uma paixão

Eu procuro o teu amor, através das sombras da cidade, me energizando nos copos de cristais enfeitados com doce luxúria vulgar, contendo em seu interior drinks feitos de puras vertigens, que só anjos caídos suportam beber. Ah, tu agora não podes lembrar meu nome, eis que ele foi forjado bem de leve com fios de libido resistentes, entre os átomos de teu seio esquerdo, lembras-te? E só você pode ler, só mirar o declive do teu seio com teus olhos castanhos claros.

Olha para dentro do espelho do banheiro de cada barzinho que tu frequentares, em seus reflexos hás de ver o meu rosto imaculado de luz. Então enxergarás meu sorriso de anjo ferido, entortado pelo teu amor sombrio! Onde agora estão as minhas asas? Talvez sendo leiloadas, chamuscadas, porém, no mercado negro da desgraça humana. Pintei minhas unhas em rubra paixão e a minha alma envernizei de desejos, talvez agora me convides para as festas programadas em volta de tua piscina, e, se eu tiver sorte, quem sabe consiga beber da taça por onde escorrem teus orgasmos de ninfa atrevida.

Há uma bela música que não para de soar dentro dos meus tímpanos, ela me faz pensar docemente em ti, sua melodia belíssima me faz sonhar com teu corpo nu, assim como a sua letra me teletransporta para a imagem do teu sorriso de formosura surreal. O timbre da voz da cantora que a interpreta me envolve dos pés a cabeça, levando-me aos átrios dos teus carinhos que me ensandecem.

Tu não compreendes que há uma multidão de almas a habitar no seio cintilante da madrugada? São notívagos atrás de prazeres que nunca os satisfarão, pois, a sede deles por tais satisfações sensoriais nunca terá fim, e é por isto que noite após noite giram de forma incessante dentro de um círculo vicioso. E eu sou um deles, minha flor, e, em cada ninfa de espírito noturno que deparo, busco as tuas curvas para derrapar nelas o meu deleite.

      Atualmente é outro que entra e sai de dentro de tuas entranhas, fazendo-te experimentar gozos salpicados com o vinho da loucura dionisíaca, e eu, sabendo disto, queimo-me ainda mais na lembrança de ti, avermelhando veementemente meus olhos de serafim profano. Que satisfação tens ao me desviar da luz? A espada afiada da minha justiça cega quebra-se ante teus meneios de sereia sedutora. Sem ti, meus dias rapidamente escoam como água pelo pérfido ralo da total incoerência!

Desde há muito tempo, não consigo fazer outra coisa, a não ser olhar para tuas fotos salvas em meu celular, vacilei e perdi o melhor de ti, e agora estou assediado por esta vampira inescrupulosa chamada depressão. Sou então alçado a um estrelato sombrio dentro do teatro que a tua ausência armou para mim!

Apesar das pessoas ignorarem em grande parte do tempo esta verdade, o amor romântico também possui o seu lado trevoso. Um lado que só tarde demais passamos a descobrir! Quando isto ocorre, as nossas primaveras se transformam da noite para o dia em rígidos invernos siberianos. Nestas horas notívagas, em que ando de bar em bar, nesta espécie de Ítaca em decadência, me iludindo em profanos corações, tento repetir os prazerosos nados que fizemos juntos no oceano verde esmeralda de uma paixão de dimensões infinitas.

A aurora refulgiu sob meu olhar estupefato, com ela também veio uma nova esperança que brotou na terra do meu coração, e que me encheu de uma alegria que há tempos eu já não mais sentia! Não devo esmorecer ante os gigantes de pedra da desesperança, o amor verdadeiro é uma força invencível, e este pode derrubá-los com um só golpe. Devo erguer a minha cerviz, e invocar as deusas primordiais do amor, e confiar que elas, com seu poder divino, restaurarão o nosso excitante júbilo de vorazes amantes.

Vou até onde pisam teus pés, vestirei um personagem, a figura de Ulisses, fingirei que subi em minha nau de antigas e prodigiosas viagens, e naveguei de volta para nossa casa, em Ítaca, que esperou sempre ansiosa pelo meu retorno! E simularei que tu, oh, minha amada, voltará a me aguardar diante dos portões de entrada, como esposa, em nossa planejada morada! Eis que o meu grande arco de guerra me espera para poder matar, com suas potentes flechas, a meus rivais, que tiraram proveito de minha longa ausência do teu lado, para te cortejarem. Empilharei seus corpos diante dos átrios de nosso palácio e de noite serei eu, e não outro, a partilhar contigo os prazeres humanos, similares aos dos deuses.

E então, minha amada, pisaremos, juntos, as areias douradas e gregas das praias de nossa bela Ítaca! E o sol nos brindará, arregalando seu olho de luz, num horizonte lírico, iluminando de forma inusitada nosso amor imortal.

ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

Leitura crítica e revisão textual realizada por Natanael Gomes de Alencar.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

A amada Musa.

Desde a primeira vez que coloquei meus olhos sobre ti, meus sentidos corporais despertaram mutuamente e tudo se fez desejo! Desejo por esta mulher que és, fêmea morena que me faz salivar cachoeiras de quereres incendiantes.  Desde a primeira vez que a minh’alma se conectou com a tua, meu mundo interior foi totalmente cooptado pela tua essência, ah, minha belíssima moçoila.

Neste teu exercício sagrado e profano de ser atriz, seduziste-me a tal ponto de fazeres de mim mais um espectador dentro do teu teatro de emoções, e somente deste modo tornei-me teu admirador eterno, aquele que sempre guardou dentro do seu peito um coração partido.

Como eu, naqueles momentos mágicos, sonhava ser o ator que ao teu lado, protagonizava as mais ardentes cenas de paixão cárneo-carmim.  Minha mente imaginativa fazia-me ter delirantes visões contigo, onde os meus lábios sedentos ficavam colados aos teus, em um beijo profundo, febril e deleitante, onde eu sim era o vampiro que, à luz prateada da lua cheia, sorvia, através deste dulcíssimo ósculo apaixonado, a tua seiva de sacerdotisa pagã.

Como esquecer a beleza estética dos cachos dos teus cabelos negros, que te emprestavam a aparência de uma donzela selvagem, fazendo com que eu contemplasse, em ti, a imagem de uma cigana, dona de formas generosas?

Tu, naquela peça, onde o roteiro fora escrito por um sátiro de alma vermelha, exibias em cena um decote onde a protuberância dos teus magníficos seios se destacava, enlouquecendo-me sensualmente até a minha última vértebra.  Oh, meu amado anjo de alma morena, como meus olhos se maravilhavam perante tal visão, minhas retinas, incrédulas por aquilo que elas registravam, lacrimejavam torrentes da mais plena e absurda estupefação!  

Aqueles que te invejavam a beleza e talento tentaram te colocar na prisão escura do ostracismo, fizeram isto para que tu caísses no meu esquecimento e no esquecimento de todos os teus fiéis admiradores! Porém, eles não contavam com a tua força interior de mulher amazona, de mulher guerreira, que nunca se deixa abater pelo ranço dos seus inimigos. E tal qual uma ave fênix tu renasceste em meio às cinzas, e com isto voltaste a brilhar no céu, onde apenas as estrelas maiores conseguem refulgir com a sua esplêndida luz.

Hoje, te reinventaste como mulher e artista, e é no palco da existência terrena que exibes os teus papéis mais exuberantes! E Dionísio e Apolo são os Deuses regentes da sua arte de interpretar as várias facetas dos múltiplos aspectos humanos. 

És do meu desejo a sua soberana senhora, assim, como és da minha alma de bardo a sua amada MUSA.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

Uma homenagem poética a grande e talentosa atriz, Claudia de Alencar. Acima, a imagem que ilustra o texto retrata a atriz aqui homenageada. 

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

A delícia do teu corpo desnudo

Teu corpo desnudo é a realização material das minhas mais luxuriantes fantasias, nele eu sorvo delícias que não consigo encontrar em outro lugar! Quando me enlaço neste teu corpo que possui a cútis morena, me esbaldo em prazeres mágicos, eis que me divirto como um menino o faz quanto têm em suas mãos, o seu brinquedo favorito.

Faço do teu corpo nu a minha ilha particular, onde o sonho mais bonito e a realidade mais poética se dão as mãos! Ah, e entre os nossos beijos e amassos eles se tornam um lindo casal. Semelhantes a nós dois, um casal de jovens pombinhos, que voam sob as asas libertadoras do amor, que lhes foram dadas de presente pela própria Afrodite.

A tua nudez corporal me encantam os olhos e me excita a alma, o cheiro que se desprende de sua pele, arrepia meus pelos e deixa todos os outros sentidos que existem em meu corpo, em estado de alerta!  Os beijos delirantes que colho do jardim místico dos teus lábios, santificam meu espírito e enlouquece ainda mais de desejo o meu pobre coração. Minha língua ao tocar a tua descobre neste santo toque, os segredos inefáveis da tua alma de mulher.

Teu corpo livre de suas vestes, apenas com a sua visão, me convida para participar de um baquete dionisíaco, onde poderei me fartar à vontade com a volúpia de sua carne bronzeada, oh, filha do supremo deleite! Que teus cuidados possam estar completamente direcionados para mim, eu que me tornei teu definitivo homem ganhando de tua parte, tua diviníssima eleição.

Teu corpo lavado pelo suor que dele se desprende; oferece-me seu odor que me deslumbra a imaginação de homem apaixonado! Tu cheiras a lírios que crescem no campo, e é este odor inefável que me leva ao sétimo céu, onde contemplo anjos que com seu simples olhar, me fazem conhecer o caminho de ouro do amor invencível.  Sim, com isto os meus pés só sabem andar é na tua direção!

     Em cima do nosso leito besuntado com o óleo das nossas paixões carmins, misturo a essência do meu corpo com a essência do teu, oh, senhora dos meus mais doces devaneios. Estar contigo em nossa intimidade é como ficar ao lado da lua no esplendor de sua glória. Meu conforto espiritual se resume em ser possuidor do teu amar de sacerdotisa afroditiana!

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

A tua nudez que não será castigada

Tua nudez não será castigada, mas, antes, apreciada por meus olhos fascinados, pois, eis que pouquíssimas vezes eles viram tanta beleza numa só mulher.  Tua nudez será elogiada sim pelos meus lábios líricos, que, inspirados pela visão dela, tentará escrever para enaltecê-la, os mais belos versos que possam existir.

Tua nudez, que possui em sua essência uma beleza lunar embevece-me a alma, levando-a a um êxtase de sensações, onde o caótico e o sublime se misturam, onde a luz e as trevas se coadunam, onde virgens virtuosas dançam com sátiros devassos.

A brancura do teu corpo nu dá a sua tez a aparência da mais fina e cara porcelana, e teus cabelos de fios negros, longos e soltos, ao contrastarem com a cor de tua pele, apenas deixam a tua beleza ímpar em total evidência. As auréolas rosa e perfeitamente redondas dos teus fartos e rígidos seios me são um irresistível convite para eu degustá-las, com o sugar sedento de minha boca acalorada. Teus lábios volumosos e estonteantemente vermelhos invocam a presença dos meus sobre eles, tocando-os, em um beijo onde o desejo e a paixão se fundem numa só substância.

Tuas ancas, em uma visão que me maravilha, se tornam uma armadilha inescapável para mim, porque o movimento sinuoso de suas curvas deixam a minha mente a sentir vertigens, enquanto incinera o meu corpo, no fogo da mais esplêndida excitação.  Gosto e muito é de sentir o teu cheiro delicioso de rainha egípcia, cheiro de flores silvestres, plantadas e colhidas nos jardins divinos de Ísis.

Meu maior divertimento, com certeza, é passear dentro de tua pirâmide invertida e rosada, tanto com a malícia dos meus dedos, quanto com a destreza de minha língua libertina! Neste passeio luxuriante, o que sinto em meu tato e paladar são delícias de sabores inacreditáveis, onde o salgado e o doce se alternam de forma mágica.

A formosura de tua nudez será, sem a menor sombra de dúvida, exaltada pelos sacros lábios dos anjos, pois nem eles estão acostumados a contemplar tamanha obra de arte, que foi criada pela amada Pachamama. Querer-te desta forma, e ser iluminado pelo farol diviníssimo de tua nudez alva, verdadeiramente me conforta!

Ter a tua nudez embarcada em meus braços é como levar encerrada em meu coração a própria primavera em todo o esplendor de sua magnificência!

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

Leitura crítica e revisão textual de Natanael Gomes de Alencar.