quinta-feira, 8 de novembro de 2007

A mulher e o seu poder único em fazer com que um homem seja feliz

  Quinta feira, 3 de novembro de 07, 9hs e 30 min.

     Desde que me conheço por gente, tenho minha mãe diante dos meus olhos, seu sorriso amoroso, sua proteção materna a envolver-me, suas punições duras que me eram impostas quando eu desobedecia às regras estabelecidas por ela, visando me dar uma digna educação para que quando eu crescesse pudesse me tornar um grande homem.

     Lembro-me dos seus negros cabelos lisos de índia, de sua beleza estonteante, de sua força inabalável de mulher resoluta a manter sua família unida e feliz.

     Minha mãe até hoje é o sol que ilumina a vida do meu pai, a minha própria, dos meus três irmãos e de seus dois netos, um rapazote de dezesseis anos e uma menininha de cinco.

      Seu lindo nome é Esperança, bem apropriado não?Já que por todos esses anos com seu exemplo de mulher honesta e trabalhadora, de boa mãe, esposa esmerada, avó dedicada, ela tem sido realmente nossa grande esperança de felicidade plena, uma mulher com todos esses requisitos pode sim fazer a sua família feliz.

        Lembro-me das minhas tias, irmãs do meu pai em especial, porque elas eram as minhas tias mais amorosas.

        A tia Cida era uma que eu a adorava, como se esquecer dos espetaculares gibis, dos quadrinhos dos super-heróis que eu tanto amava na época nos anos setenta e que ela os comprava para mim?Lembro-me de uma coletânea de revistas que trazia inseridas em suas páginas as aventuras do meu herói predileto na minha infância, o Super-Homem.

        Tia Cida tem uma irmã chamada Maria Augusta que não ficava atrás dela como uma tia maravilhosa que eu tinha e graças a Deus tenho, pois ambas ainda são vivas. Elas eram como tias tinham de ser, divertidas, carinhosas, atenciosas, tinham alegria em conversar e estar ao meu lado, eram adultas, mas não achavam que por sê-lo não deveriam perder tempo comigo.

         Pelo contrário, elas por terem consciência que eram adultas, sabiam que eu precisava de seu amor e atenção dedicados. Duas mulheres com esses requisitos de formidáveis tias podem fazer um sobrinho seu muito feliz.

         Ainda dos tempos da minha infância recordo-me de uma professora que tive no ensino fundamental, quando ela e sua amiga chegaram ao pequeno lugarejo onde eu morava com a minha família,lembro-me de juntamente com alguns amigos que eu tinha naquela época, de tê-las ajudado a se localizarem por não saberem o lugar exato de onde iriam morar.

         Ajudamos a carregar as suas malas, as duas vinham para lecionar no colégio em que eu e todas as crianças e jovens daquele lugar estudávamos.

         Com certeza foi à primeira professora pela qual eu me apaixonei, amor platônico é claro, pois eu era muito menino para ter alguma chance com ela.

          Suas aulas eram diferentes das de outros professores, sem abrir mão da disciplina ela procurava ensinar divertindo, nos tratava com respeito, procurava realmente ser nossa amiga.

           Recordo-me que a ultima vez que a vi, foi em um momento especial em minha vida, pois tive o privilégio de ficar sozinho com ela conversando e isso ocorreu em uma festividade que houve no único clube do lugarejo em que vivíamos.

           Eu sabia que aquela minha professora depois de ter passado algum tempo conosco, estava para ir embora, ela então me convidou para andarmos um pouco, longe do barulho do som que reverberava pelas paredes do clube, aceitando o seu convite saí com ela e fomos andar enquanto conversávamos.

           Nunca mais a reencontrei novamente, assim como nunca mais soube nada a seu respeito. No entanto, uma professora com aqueles requisitos pode fazer um aluno seu muito feliz.

           Do fundinho do baú das boas recordações, me vem à memória aquela que foi a minha primeira paixão romântica, olhem bem, eu posso ter sido apaixonado pela professora mencionada acima, mas ela não foi a primeira mulher que conseguiu de certa forma roubar de mim o meu coração.

           A primeira representante do sexo feminino que conseguiu fazer com que me apaixonasse por ela foi uma menina que conheci na escola, outro amor platônico, pois se ela algum dia soube de minha existência, essa informação jamais chegou ao meu conhecimento.

           Eu só sei que ela devia ser um pouco mais velha que eu, a primeira vez em que pude colocar os meus olhos nela foi durante o período das festas juninas.

           O nosso colégio promovia a tradicional dança de quadrilha. Quem de nós ao menos uma vez na vida quando éramos pequenos na escola e mesmo depois de adultos não participamos desse tradicional evento junino?Foi amor a primeira vista, ela foi escolhida para ser a noiva do festejo em que iria haver a quadrilha!Como eu invejava o “menino” que foi escolhido como seu noivo e por coincidência o dito cujo era um velho conhecido. Ele tinha o mesmo nome que eu, pois também se chamava Elton.

            Eu sonhava constantemente com aquela menina, em meus sonhos eu me enxergava ao seu lado como seu noivo naquela quadrilha. Pena que tudo não passava de meros sonhos, pois o Elton que ensaiava para tomá-la em casamento naquela brincadeira escolar junina não era eu e sim o meu rival-xará.

            Até hoje para os olhos da minha memória eu a vejo como a linda garota que ela foi um dia e que se perdeu na neblina espessa daqueles tempos de infância que infelizmente para mim foram-se embora.

            Mas uma coisa eu digo, uma menina que tinha aqueles requisitos de simpatia e beleza, pode fazer um menino-frangote como era o meu caso, muito feliz.

            Falarei agora da primeira mulher que tive a oportunidade de beijar em minha vida. Falo da empregada de uma ex-vizinha do bairro em que eu e minha família chegamos a morar quando nos mudamos para o Litoral Santista.

            Eram os idos dos anos 1980, ela era uma jovem moça morena clara que chamava não somente a minha atenção, mas a dos meus irmãos e amigos assim como de qualquer outro representante do sexo masculino não importasse a idade deste.

            Ela era uma pessoa simples e simpática, conversava e gostava de brincar muito conosco.

            Mal sabia aquela garota que seu corpo de silhueta provocante mexia com a química em ebulição de nossa sexualidade que naquela época estava apenas se despertando por sermos ainda jovens adolescentes.
                 
             Depois de um tempo em que ela foi demitida do seu emprego de doméstica pela vizinha, nos reencontramos e a beijei próximo ao Paço Municipal da cidade. Eu nunca tinha beijado na vida até então, sendo assim não tinha muito conhecimento ou experiência de como fazer ou agir, me lembro perfeitamente, no entanto que fiz tudo por puro extinto e a coisa toda acabou dando certo.

              Eu me senti realizado, afinal aquele fora como eu disse nas linhas acima o meu primeiro beijo.

              Uma mulher jovem e exuberante como aquela, ao te iniciar em seu primeiro beijo pode fazer realmente com que seja um garoto muito feliz.

              Quando comecei este texto não sabia direito o que ele iria se tornar, uma prosa poética ou uma crônica sobre a importância das mulheres na minha existência e na de todos nós homens.

              Como ficou visível que este texto se tornou uma crônica, o mais importante é a mensagem pessoal que quis transmitir através dela, do real significado e do valor e importância que as mulheres tiveram e têm em minha vida, achei que meu testemunho particular sobre esse assunto seria importante principalmente para os leitores homens que a lerem, que, essas representantes do sexo feminino com certeza não só foram e são primordiais para mim como para si mesmos, afinal qual homem não tem uma história de vida para contar da benéfica influencia de uma filha de Eva sobre ela?

               Toda manifestação de machismo, preconceito e violência em todas as suas formas contra a mulher é um verdadeiro absurdo e é um mal que prejudica toda a sociedade humana. Tenho absoluta convicção que todo mal que fazemos contra as nossas mulheres de certo modo acaba nos atingido também, dado a incrível importância que elas têm para nós homens.

               Não importa que lugar ou estado ocupem em nosso viver, sejam elas nossas mães, irmãs, namoradas, tias, avós ou esposas, talvez nunca saibamos o quanto o papel da mulher foi importante e imprescindível para a nossa sociedade alcançar toda a evolução intelectual, cientifica e tecnológica que possuímos hoje, ainda que na maioria das vezes nesse processo de evolução ela foi de certa forma excluída pelo machismo-patriarcal do homem. Mas mesmo no silencio castrador acredito que da sua maneira sábia essa mesma mulher não deixou de dar a sua contribuição. Sem o respaldo amigo e companheiro da mulher, acredito que o homem até hoje estaria morando em cavernas e usando paus e pedras para se defender das ameaças que o circundam no mundo em que ele vive.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

“A mulher é uma substância tal, que, por mais que a estudes, sempre encontrarás nela alguma coisa totalmente nova." (Leon Tolstoi).

Nenhum comentário: