quinta-feira, 29 de novembro de 2007

És mulata brasileira, é do meu coração a sua feiticeira

        O teu corpo de cor morena cheira bem e é de uma delicidade que é impossível de questionar, por esta razão é que ele me deixa louco, quase irracional. Quando te vejo desta forma, linda e sensualíssima é como se uma fera plena de desejos despertasse dentro de mim. Os teus cabelos encaracolados que lhe caem até a nuca, fios da cabeleira de uma morena jambo que com o movimento do balançar dos seus cachos me fascinam, e me faz desejar entrelaçá-los entre meus dedos levando-os as minhas narinas para que assim, eu possa sentir o perfume extasiador deles.

        Pois esta nossa terra que foi descoberta pelo português Cabral tem uma riqueza quase que exclusiva, esta riqueza é o fascínio da mulher brasileira, em especial o da nossa mulata, da estonteante fêmea de cor negra, filha da Mãe áfrica, descendente dos bravos escravos, fruto da bendita miscigenação que aconteceu espontaneamente nesta nação de alma tupiniquim.

        És com certeza, oh, minha mulata uma Vênus negra abençoada pelos Deuses e Deusas de tua Mãe África, tua graça e tua alegria são o sorriso deste Brasil que sem ti viveria amargurado. Além de teres samba no pé, carregas em tua alma de mulher muita coragem, honestidade, amor pelo trabalho digno e em tua fronte levas o brilho da realeza altiva dos reis e rainhas africanos.

        Venha, oh, minha dulcíssima negra beijar-me em minha boca, dê-me o prazer de sentir o sabor da tua língua de mulher sedutora. Anseio lavar-me em teu suor e conseguir sentir o perfume lascivo dele e que me faz estremecer inteiramente quando este ganha as minhas narinas. Também te peço que venhas sambar para mim remexendo sensualmente as tuas cadeiras como somente tu sabes fazer. És minha Chica da Silva senhora de todos e escrava de ninguém, és uma Cleópatra de pele escura e alma refulgente, rainha deste chão e Mãe- Deusa daqueles que nascem do seu pó e morrem estendidos sobre ele.

        Eu te digo que hoje estou alegre e orgulhoso porque não a vejo mais como mucama de ninguém, afinal nesses tempos em que atualmente vivemos és empresária, jornalista, dentista, fotógrafa e até mesmo faxineira que seja, afinal um trabalho humilde também pode ser digno, o mais importante é que te percebo dona do teu nariz, senhora do teu destino e com o imenso orgulho de se sentir o que és acima de tudo, uma mulher.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

 Dedico este texto a princesa Isabel, a todos os antigos abolicionistas, a minha bisavó que foi mulher negra e filha de escravos, a todos aqueles que foram vitimas da escravidão no Brasil. E, sobretudo a mulher negra, que ainda hoje tem de lutar contra o preconceito racial e irracional deste nosso imenso e insensato Brasil.

Elton Sipião O Anjo das Letras-quarta feira, 28 de novembro de 07.

Um comentário:

Anonymous disse...

E viva nós!!Mulheres de sabor de chocolate,rssrs.Beijo.Flavinha.