sábado, 29 de dezembro de 2007

A rosa de São Vicente

        Vou lhe falar do meu amor por ti, tu és o meu mais doce encanto, pois és a mulher que me traz acalanto em meus dias cinzas de dores e angustia.
     
        A dor de se estar sozinho é um sentimento cruel, é uma sensação incomoda que fere, fustiga e a todo o momento te faz sangrar. No entanto és tu que me livras de estar só nessa vida, afinal se fazendo presente esteja onde eu estiver, me manténs livre do horror da solidão.

        Tu és a minha nega, minha rainha mulata zulu, que toma todos os espaços vazios da minha existência enchendo-a de satisfação. Sempre me espreitas com teu corpo nu para seduzir-me, e ter-me entregue totalmente em tuas mãos.

        Feito uma leoa ensandecida pela fome sensual, te atiras sobre mim com tuas garras ferinas e rasgas minhas vestes desnudando-me diante de ti, e me forças a possuir-te desta forma com um desejo transbordante de loucura.

        Entre as rosas plantadas em São Vicente é a mais formosa, de suas praias ensolaradas é a mais atraente sereia, de todas as filhas desta que foi a primeira cidade neste nosso país tupiniquim, és a minha preferível musa pela tua beleza exótica e original.

         Considero-te minha donzela apaixonante, minha flor de ébano que transporta meu coração aos mais profundos abismos celestiais. Vejo-te ainda como meu castelo pleno de delícias extasiantes provindas do próprio Jardim do Éden.

        Dos feitiços de terras vicentinas, és com certeza aquele que é impossível a alma masculina desavisada poder resistir.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Esta prosa é em homenagem a toda mulher nascida e que vive no Município de São Vicente que fica localizado no Litoral Santista no Estado de São Paulo.

Nenhum comentário: