sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

O CAIR DAS BORBOLETAS!- REEDITADO.

Minha amada, hoje te vi passar por mim na rua e, de certo que nem percebeu, quando esbarrou em meu braço, o que o meu coração disse ao teu.
---------------------

Será que quando me sorriu não percebeu a tristeza que havia em meu olhar?Pois é do seu lado que eu sempre quero estar. É só a sua linda voz e não outra, que meus ouvidos anseiam ouvir.
-----------------------

Quando nos esbarramos na avenida principal de nossa cidade, senti que meu coração para se comunicar com o teu, saiu de mim, e chorando, tentou tocá-lo gentilmente. Sabe, vou te contar uma verdade, ao fazer tal movimento, ele quase se partiu em mil fragmentos, feito frágil cristal.
----------------------------------

Às vezes, nem notas, mas, fico prestando atenção no desenho da tua boca, imaginando os beijos que ainda não te dei, divago em como seria a sensação de tal ato em sua realidade mais plena.
-------------------------------

Imagino teus olhos nos meus e minha língua sequiosa pela tua, tocando-a, tomando-a com voracidade, nós dois num abraço demorado, quase febril. É um desejo tão grande, que chego a sentir teu gosto e teu cheiro, minha amada.
--------------------------

Uns dois dias depois deste acidental encontro, pude vê-la chorando, esperando o trem no metrô apinhado de gente. Em meio á multidão, você não pôde me ver e eu fiquei pensando, qual seria o motivo de suas lágrimas que me pareceram tão amargas.
------------------------

Quem ás teria provocado ou conjurado há rolarem sobre tua linda face, se achando digno delas, meu amor doce e secreto?
----------------------------

Toda noite visito-te em meus sonhos, e isso é inevitável. Tais visitas, enquanto durmo, me parecem de um anjo de luz a outro. Em meu sonhar, é o teu belo rosto que contemplo juntamente com teu desejável corpo tão querido pelo meu e por todos meus sentidos, e que me faz arder de paixão, mas, quando acordo, fico decepcionado, pois, tudo não passou de mais um sonho, a desolação toma conta do meu ser. Sinto-me como um anjo exilado e abandonado pelos deuses do amor.
--------------------------------

Nos rostos de outras mulheres, tento encontrar o teu. Busco o lindo sorriso do qual és dona, nos lábios de outras, que acabo conhecendo, pelos labirintos desta enorme metrópole, porém as moscas incômodas da solidão vivem á rodearem-me, minha aspirada musa, mas são nos teus braços que quero construir a minha cidade, são neles que pretendo inventar a minha filosofia de vida.
----------------------

Eu me vejo ás vezes, como um anjo perdido, que do fundo de sua alma solta um grito, no silêncio de um quarto escuro, das pontas de minhas asas brancas, caem gotas de sangue, que foram feridas pelo Serafim implacável da dor.
--------------------------------

Mesmo assim não pareces escutar minha voz. Mas continuo gritando e machucando cruel e docemente os corações das borboletas, fazendo-as caírem mortas no chão, ao ouvir-me e sentir a dor profunda que brota deste sofrimento angustiado, que clama pela tua atenção.
----------------------------

Em meio á este meu grito de pura paixão, nasce a mais bela rosa, que será colhida e oferecida á ti, minha amada. Esta rosa representa o meu sentimento romântico. Saiba que estarei sempre por perto, mesmo que não tenhas conhecimento ainda do que sinto. No entanto, é do tempo que espero uma resposta. Ele me dirá se algum dia serei merecedor do teu amor.

ELTON DAS NEVES O ANJO DAS LETRAS.

Dedico esta prosa poética ao cantor norte americano, Roy Orbinson- (
23 de abril de 1936, Vernon6 de dezembro de 1988, Hendersonville, Tennessee
)- famosissimo internacionalmente por suas canções românticas sobre amores perdidos. E a todos aqueles que sustentam em suas vidas, um amor platônico.

Um comentário:

inviso disse...

onde foi que vc encontrou essa foto?
pois fiquei interçado em por essa foto na capa de um disco, claro com a permissão do colega!