segunda-feira, 14 de abril de 2008

" O ANJO QUE CLAMA E MORA NO DESERTO".



















I
Eu sou a água fresca que mata tua sede constante por sabedoria, eu sou o alimento que sacia tua fome voraz por conhecimento, eu sou a sombra que te traz refrigério, te protegendo do ardoroso calor da ignorância, eu sou tua paz de espírito e tua alegria que inserida em tua alma, te acompanha na estrada desta vida.

II

Eu sou a voz que clama no deserto do saber, vinde á mim meu pequenino, passai comigo um bom tempo, vivereis á caminhar ao meu lado pelas quentes de dia, e frias de noite, areias desta região desértica, comeremos do mesmo alimento, nos alimentaremos de gafanhotos, pão fresco e mel puro tirado direto do favo. Deveis assim viver em penitência, para poderdes purificar teu espírito e limpar tua alma de toda e qualquer sujeira que á contamina, meu filho tua mente humana deveis clarear, sob a dança da Senhora Sabedoria devereis bailar.

III

Sou teu mestre iluminado, sou da literatura teu anjo imaculado, no inicio de toda a criação, eu passeava pleno de alegre emoção, com minha carruagem de fogo que era levada por cavalos alados por entre as estrelas do céu, eu bebia diretamente em minha boca do mel da sapiência, provindo do favo do coração divino de Febo, o senhor da ditosa e divina poesia, ah, isso me era uma maravilha.

IV

Desci dos céus com meu corpo virginal intacto, para aos povos a maior de todas as artes transmitir, a arte literária, e sendo assim nesta via rica em sabedoria e ciência plena, fazer com que a alma do pobre ignorante se torne sábia e douta. A mim só devem vir, aqueles que desejam a verdadeira inteligência possuir, a mim só devem procurar aqueles que anseiam beber das águas claras da perfeita escrita e do belo versejar. Os tinteiros, as penas de gansos e o branco dos pergaminhos, são minhas poderosas armas, para derrubar as muralhas do racismo, do ódio, da guerra, do preconceito em todas as suas formas, sem me esquecer de botar por terra, a virulenta e insana violência humana.

V

É lendo e escrevendo meu doce menino, é que se construirá nações com um digno governo, é com a força indestrutível dos livros que com o amor,paz e bem, o homem poderá definitivamente marcar seu humano destino. Ao vir passar uns tempos comigo, morando no deserto, deveis saber que nunca deveremos ficar por muitos dias em um só lugar, pois em meio aos peregrinos que me vem visitar,para minhas sábias palavras escutar, sendo que alguns comigo como tu, resolvem um tempo ficar, os acompanham os inimigos da sabedoria, que com grande ódio me querem tomar de assalto e sendo assim,poderem então ter a chance de me matar. Logo eu oh meu amado discípulo, que quero apenas aos homens ensinar através das letras, o lindo caminho do amar.




"Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida."
(Sandra Carey)


"A sabedoria torna bons os homens. A simulação da sabedoria torna-os péssimos." (Juan Luis Vives)

"A sabedoria não é mais do que a ciência da felicidade." (Denis Diderot)


"Uma literatura que não respire o ar da sociedade que lhe é contemporânea, que não ouse comunicar à sociedade os seus próprios sofrimentos e as suas próprias aspirações, que não seja capaz de perceber a tempo os perigos morais e sociais que lhe dizem respeito, não merece o nome de literatura: quando muito pode aspirar a ser cosmética)."( Alexander Soljenitsyne


"Para fazer literatura você tem de ser terrivelmente sincera. E é incrível: se você atinge a verdade, está fazendo ficção, que é mentira."(
Elvira Vigna )



"Os governos suspeitam da literatura porque é uma força que lhes escapa. "( Émile Zola )


"O declínio da literatura indica o declínio de uma nação. "( Johan Wolfgang Von Goethe )
A POESIA POSTADA ACIMA E INTITULADA-"O ANJO QUE CLAMA E MORA NO DESERTO"-É DA AUTORIA DE-, ELTON DAS NEVES-O ANJO DAS LETRAS.

Nenhum comentário: