sexta-feira, 16 de maio de 2008

" AS POMBAS QUE ARRULHAM NA PRAÇA DE SÃO PEDRO".-( VERSEJAR DE AMOR NA CIDADE SANTA).


Se eu disser alguma palavra direi que eu te amo, o teu gostoso beijo é tudo que eu quero, a mesma língua que te diz que te ama é a mesma que te beija febrilmente, sofregadamente, insistentemente. Que busca neste apaixonado oscular dos nossos lábios a eternidade do nosso amor, pois quero me livrar de todo rancor desta vida que nos pede para ser bem vivida, e quero vivê-la dia após dia em teus carinhosos braços, quero existir somente no teu regaço, deixemos de lado todo ódio que há neste mundo, pois do amor ele é o tenebroso e frio carrasco, espantemos para bem longe de nós a solidão que entristece todo e qualquer humano coração.

As pombas arrulham e voam ao nosso redor na Praça de São Pedro, são poesia e fúria incontida em meu peito, amo-te confessamente e publicamente, não preciso da força das palavras ou da suavidade dos meus gestos para te dizer ou mostrar o quanto é grande por ti o meu amar, o quanto é profundo por ti este meu gostar. O ar hoje em Roma está tão perfumado, é o cheiro das flores intocado, imaculado, ele me lembra o odor honorífico do teu corpo macio, belo, e muitas vezes amado pelo meu que elegeu o seu como seu paraíso, seu céu.

Até os anjos e santos da capela Sistina venera este nosso amor que nos é sagrado, e que se fez caminho seguro para a absoluta redenção ao nosso apaixonado coração. Faz frio na cidade santa, aonde Pedro há séculos atrás foi martirizado sendo crucificado de cabeça para baixo, ele também amou, não há uma mulher como eu, mas ao seu santo Deus, o amor é sempre assim, não importa quem amemos, nos leva há grandes sacrifícios, até mesmo ao ponto de ver a nossa vida chegar á um fim.
Assim tão certo como o papa está na cidade do Vaticano, a paixão que sinto por ti e que foi vaticinada pelos anjos, durará para sempre, acredite, te amarei eternamente, com todo meu coração, com toda minha alma, com toda força de minha mente. Assim como todas as almas peregrinas rumam para Roma eu rumo me convergindo em tua direção, desejando apenas o amor que tens guardado para mim em teu nobre coração, eu creio nele, dele eu não sou um ateu, saibas tu também, que o meu imenso amor também é todo teu.



A poesia postada acima e intitulada-, “As pombas que arrulham na Praça de São Pedro”-, é da autoria de Elton das Neves O Anjo das Letras.








A crucificação de São Pedro- Caravaggio-1601-Capela Cerasi, Igreja de Santa Maria del Popolo-Roma-Itália.

Nenhum comentário: