quarta-feira, 28 de maio de 2008

" O PACTO I PARTE".

Nova Orleans-E U A- cidade do estado da Louisiana .

“De que adianta á alguém ganhar o mundo inteiro, se vier á perder a sua alma”?
(JESUS CRISTO).

King Creole era um garoto maneiro, as meninas o achavam um gato faceiro, só tinha dezoito anos e o azul do céu estava refletido em seus olhos. Ele desejava muito ser um guitarrista famoso. Ganhou uma fender azul, de presente dos seus pais e isso ele adorou, pois achou aquela guitarra nova incrível por demais.

Dias sem parar sozinho em seu quarto ele ficou a ensaiar, sua guitarra nova não parava de tocar, e isso ás vezes seus pais e até seus vizinhos chegava o menino á incomodar. O rock n” roll em suas veias fervia e em seu coração a rebeldia roqueira refletia. Queria o mundo incendiar, com os rifs violentos de sua guitarra encantar.

Nova Orleans era o nome da cidade onde King Creole morava. Lá também tinha uma namorada a quem muito amava, seu nome era Ana Carolina , tinha dezesseis anos e era uma linda e charmosa menina. A gata adorava o som de Chuck Berry e Carl Perkins enquanto Creole, seu amado, delirava com a musica de Johnny Cahs e do grandioso Elvis Presley o hillbilly cat. O seu grande anseio era gravar um disco de enorme sucesso e tornar-se como estes seus ídolos um rock star e assim, como eles , este mundo com sua musica elétrica poder abalar.

Um dia andava Creole solitariamente em uma rua escura á perambular, quando teve um calafrio, um encontro inesperado com uma pessoa de aspecto refinado ao mesmo tempo sombrio. Vestia terno e calça preta com um chapéu da mesma cor e tinha em seu funesto olhar um certeiro amargor, pois sem nenhuma cerimônia apresentou-se como o próprio diabo, deixando o menino bastante assustado.

E disse ao garoto, surpreso e calado: – você é esperto e muito matreiro e eu estou aqui, para realizar seu grande, ambicioso e desejado sonho, o de se tornar um famoso roqueiro.

King Creole, boquiaberto, lhe perguntou como podia realizar tal projeto e o senhor do inferno respondeu que o garoto não duvidasse do certo, era só ele querer e dizer nesse momento e bastava que concordasse em assinar um simples documento.

Querendo mais que nunca tornar-se um musico conhecido, o incauto menino concordou em assinar o documento oferecido. Que importava se tal se dizia anjo caído?

Depois do documento por ele ser assinado, o tal vestido de preto lhe avisou que era um pacto e, com o desejo realizado, chegaria o momento de lhe cobrar pagamento pelo serviço prestado: sua alma levaria, pois já de papel passado agora lhe pertencia e depois de um certo tempo, o anjo danado ao inferno á lançaria.

Estalando os dedos e levando consigo o funesto documento, o diabo com uma sonora e maquiavélica gargalhada diante dos olhos de Creole desapareceu e, como um passe de mágica, em sua vida um tanto sem graça uma reviravolta aconteceu. -
Continua na próxima postagem...

A conto postado acima e intitulado-“ O pacto I parte “- é da autoria de Elton das Neves O Anjo das Letras.







A foto acima é do famoso musico negro de blues Robert Jonhson-, reza uma lenda que ele teria feito um pacto com o diabo. Reparem no lado direito de Jonhson nesta mesma foto, parece haver uma imagem sinistra subliminar





Nenhum comentário: