Google Translate

Dollores- IV Parte- Acontecimentos inesperados!!!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010.
*****Ao atender o seu celular, Dollores ouve a voz de Arlindo Casanova o seu queridíssimo amado, o jovem rapaz lhe avisa que já estando no lugar onde ele morava tendo chegado da repartição pública que era seu local de trabalho, tinha tomado banho e iria pegar seu carro para que pudesse se dirigir para a casa dela, com o intento de participar do almoço em família que seria oferecido aos dois ilustres visitantes vindos de São Paulo, para os quais seria apresentado como o seu mais novo namorado.



*****Dollores lhe avisa então que, naquele momento está indo á locadora juntamente com Cláudia para que ambas possam alugar um DVD, com o intuito de que todos possam assisti-lo mais tarde no período da noite, contudo realizaria essa tarefa muito rapidamente, porque ainda não tomara banho, por esse motivo estaria logo em casa para poder fazê-lo, e com isso conseguir receber á tempo sua tia Augustina e á Aristóteles o noivo de Fátima.


*****Arlindo então lhe recomenda que faça isso como ela mesma lhe disse, muito agilmente, porque com certeza as visitas já estavam á um fio de chegar á casa dela e de suas duas amigas.


*****Ainda lhe explica que como ainda ela vai com Cláudia até a locadora de filmes, com toda certeza quando estas chegarem ele já estaria na casa delas lhe esperando, pois estando de carro e residindo próximo de onde as moças moravam, não tardaria muito em aparecer por lá.


*****Respondendo á Arlindo que não haveria problema nenhum nisto, Dollores lhe fala que se acontecesse de fato dele chegar a casa dela primeiro, que então ele ficasse á vontade como se estivesse em sua própria residência e que deste modo á esperasse, pois como já havia lhe explicado não demoraria muito com Cláudia até a sua incursão á locadora de DVDS.


*****Ao desligar o seu celular encerrado a sua conversa com Arlindo, Dollores procura junto á Cláudia apertar o passo para que as duas cheguem o mais rápido possível ao seu destino, quando no meio do caminho se deparam com dona Guilhermina e sua filha Ester.


*****Dona Guilhermina é o que se pode chamar de a hipocondríaca do bairro, pois se trata de uma senhora com seus sessenta anos que simplesmente é aficionada em falar em remédios e nas bulas que os acompanham, assim como nas diversas doenças existentes, principalmente daquelas que imagina sofrer, haja vista que, cada indivíduo morador daquele bairro á conhece tão bem a ponto de saberem que ela as tem somente dentro de sua cabeça influenciável.


*****Naquele momento Tanto Dollores como Cláudia percebem o azar que ambas tem com aquele inesperado encontro.


*****Elas sabiam o que tinham pela frente ao se depararem de forma imprevista com dona Guilhermina e Ester, não tanto por essa ultima uma jovem menina de vinte e um anos, a caçula de seis filhos de um pai que trabalhava como estivador no porto do município de Santos, e da mãe hipocondríaca que labutava como costureira desde que era uma jovenzinha ainda solteira nesta mesma cidade.


*****Era Ester que continha a mãe quando saia com ela de casa, impedindo-a de amolar ao extremo á quem elas encontravam no meio da rua com seu falatório sem medida que se resumia em seu velho e maçante hábito de se queixar de suas múltiplas doenças somatizadas pela sua mente doentia.


*****Quando Ester sentia que a mãe estava se assemelhando á uma metralhadora giratória cuspindo por sua boca uma enxurrada torrencial de palavras acerca de suas lamúrias e reclamações por suas mazelas psíquicas e com isso estava chateando e incomodando quem á ouvia, simplesmente a moça á pegava pelo braço e se despedindo rapidamente de seus interlocutores, retirava a sua genitora da presença deles.


*****Com isso, dona Guilhermina a muito contragosto era obrigada á acompanhar a sua jovem filha que praticamente a arrastava á força livrando os vizinhos de bairro daquele infortúnio todo.


*****Desde modo elas tiveram que ter a devida paciência para escutar aquela singular senhora com mania de doenças, desta vez as jovens moças ouviram-na narrar sobre suas ultimas enxaquecas, umas dores incomodas que surgiram do dia para a noite em sua cabeça impedindo-a de exercer com tranqüilidade seu velho ofício de costureira, e com isso o trabalho ficara acumulado, pois muitas encomendas de peças de roupa á ser feitas tinham ficado abandonadas á um canto em ponto de espera.


*****Uma coisa sempre foi certa na vida do homem, quando ele precisa que o tempo trabalhe á seu favor este parece fazer o contrário, operando contra os interesses da espécie humana.


*****Tanto Dollores quanto Cláudia sentiam que o tempo lhe escapulia pelos seus dedos feito areia como se este estivesse sendo apertado pela força de suas mãos.


*****A cada minuto em que elas ficavam ali paradas naquela rua ouvindo dona Guilhermina se queixar de suas dores de cabeça, a agonia de sentir que chegariam atrasadas a vídeo-locadora e por conseqüência com uma margem maior de atraso para receberem Tia Augustina e Aristóteles em sua residência, ia tomando conta de seus peitos trazendo uma áurea de desespero que parecia vir com tal sentimento.


*****Depois de quinze minutos passados de pura inquietação misturada á uma ansiedade esmagadora, para o alivio das jovens moças o alarme de Ester parecia ter disparado em sua mente, pois naquele momento a filha da costureira havia percebido todo o nervosismo e inquietude de Dollores e Cláudia, sendo que também em sua opinião a sua mãe tinha falado já o bastante, pelos menos para aquele encontro, pois quando elas mãe e filha saíssem dali, poderia ocorrer de mais á frente se encontrarem com mais alguém conhecido que seria a nova vitima inevitável daquela conversa hipocondríaca de dona Guilhermina.


*****Desde modo mais que rapidamente Ester segura à mãe gentilmente pelo cotovelo e a interrompe dizendo-lhe que estavam atrasadas para compromissos que tinham firmado e teriam de cumpri-los ainda ao longo daquele mesmo dia.


*****E sem esperar uma resposta de sua genitora que com essa sua atitude costumeira sempre ficava estupefata, Ester se despede de suas duas jovens amigas e ainda segurando sua mãe pelo braço se retira com ela encerrando aquele encontro indesejado e totalmente fora de hora para as duas moçoilas paulistanas.


*****Dollores e Cláudia sem perderem mais um só segundo sequer apressam o passo e enquanto fazem isso, comentam entre si sobre aquela reunião inoportuna justo quando não tinham tempo á perder, justo quando com toda a certeza o taxi que levava na direção de sua casa Tia Augustina e Aristóteles deveria estar chegando por lá a qualquer momento.


*****Ao chegarem a vídeo-locadora apressadamente se direcionam á estante de lançamentos e escolhem “Avatar” a superprodução hollywoodiana do diretor norte americano James Cameron, que fez desse filme a maior bilheteria da história do cinema em todos os tempos com um faturamento de dois bilhões de dólares.


*****Poucos minutos depois que ali chegaram, após terem cumprido com a pequena burocracia costumeira que se tem de fazer para conseguir alugar um filme em uma locadora, Dollores e Cláudia abandonam muito rapidamente aquele lugar, rumando com passadas largas e apressadas em direção á casa que moram torcendo cada uma respectivamente em seu intimo, para que o carro que levava naquele mesmo instante á Tia Augustina e Aristóteles ainda não tivessem chegado ao seu destino.


*****No meio do caminho as duas jovens moças sentem as primeiras gotas de chuva que começam á cair muito que timidamente sobre suas cabeças, Dollores se vira para a Cláudia comentando que só faltava para completar toda aquela situação que não estava muito á favor delas, que caísse do céu uma chuva torrencial fazendo-as além de chegarem atrasadas, com que aparecessem diante de tia Augustina e Aristóteles como dois pintassilgos molhados, pingando por todas as partes de seus corpos.


*****Para a infelicidade das duas juvenis garotas, o receio de Dollores se confirma, em poucos minutos o que era só um ensaio de uma chuva que viria despencar com força sobre suas cabeças se confirma.


*****Pois as comportas do firmamento se abrem despejando sobre elas as suas águas em grande profusão, isso faz que com que Cláudia que levava consigo a embalagem que guardava o DVD, a colocasse por dentro de sua blusa com receio que transpondo o plástico do qual era constituída, as gotas grossas daquela tempestade pudesse molhar a mídia e conseqüentemente danificá-la.


*****Após transporem uma quadra que as distanciavam de sua casa, as duas jovens amigas chegam à frente do portão de sua residência completamente encharcadas, pingando á água de chuva por todos os poros de seus frágeis e trêmulos corpos.


*****Nisso as duas se deparam com um carro estacionado bem diante da casa onde moram, um corsa azul-marinho, as moças reconhecem nele o automóvel de Arlindo Casanova, com isso ambas supõe juntas mesmo sem proferir palavras uma á outra, mas fazendo isso no intimo de seus corações, que Arlindo havia já algum tempo chegado á frente delas naquele endereço onde elas fixavam a sua morada.


*****Quando então Dollores está prestes á enfiar a chave na fechadura do portão com o objetivo de abri-lo para poder junta com Cláudia adentrar a sua casa, tanto ela como essa sua amiga escutam o som da buzina de um automóvel soar bem atrás de suas costas.


Continua...


ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
__
Leia a V parte desta crônica clicando neste link:  Dollores- V Parte- Olhares por entre a cortina!

8 Comentários:

Stúdio Green Heart disse...

Olá tudo bem? Em primeiro lugar veio pedir desculpa pela deselegância que você alega que tivemos, mas talvez você não tenha percebido, este não é o blog de uma pessoa mas sim de um stúdio de publicidade, então nós apenas o usamos o blog como meio de divulgar o nosso trabalho,e infelizmente como fazemos muita coisa durante o dia não temos tempo para ficar lendo todas as postagens, afinal temos uma cara horária de trabalho a ser cumprida, e o blog não é a única que movimentamos, e quanto esta política de bloggeiros que você cita, eu desconheço e descordo dela, mas nossa função não é gerar discussões, mas quanto a sua necessidade de comentários sobre a sua postagem tenho um blog pessoal, e vou dar uma olhada nele, mais tarde ok?

Abraços

Atenciosamente

Jhow Carvalho

Stúdio Green Heart

Aмbзr Ѽ disse...

eu li o texto, esta em um rumo totalmente novo, confesso estar perdida no sentido de ação dos personagens.

abraço.

http://terza-rima.blogspot.com/

Fernández ♠♠ disse...

A obra ta crescendo...
So vou te dar um toque: cuidado com o emprego dos tempos verbais. As vezes pode tornar-se cansativo para o leitor ler somente em um determinado tempo. Procure mescla-los.

http://terza-rima.blogspot.com/

Lou Albergaria disse...

Passando para lhe desejar um lindo final de semana!!!

Depois volto para ler seu post!

BEIJÃO!!!

Lena disse...

Menina, o meu anjo é outro. Eu adoro o meu anjo e não vejo o dia dela se declarar. Me desculpe. Mas adoro poesia e tudo que me faça sonhar.
Detesto discussões. A minha forma de ser é apenas de estar na vida com optimismo.
Um abraço e até sempre!

Stúdio Green Heart disse...

Sim, tudo o que você disse ficou claro.

Atenciosamente

Jhow Carvalho

Lou Albergaria disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

Lou Albergaria disse...

Retratar o cotidiano parece fácil, mas não é. Uma das artes mais complexas é narrar coisas simples, que todo mundo faz e nem percebe, pois já está arraigado na alma.

Seu conto está muito interessante, mas sinto falta de um pouco mais de intensidade, mais exposição de alma dos personagens talvez...

Beijão!!!

TEXTOS E CRÔNICAS DO ANJO DAS LETRAS. © Copyright 2007 - 2017 | Design By Gothic Darkness | Editado por Lizza Bathory