quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

A garota Satã!- A lição dos três macacos.- III parte.//Crônicas de Salém!

       Ao esbarrar em seu ombro direito, ela se vira para mim, meu Deus, pareceu-me naquele momento de que eu tenha tido a visão de algo inumano, portanto, estava contemplando o que poderia ser divino.

      Nunca em toda minha ainda curta vida, tinha visto uma garota tão incrivelmente linda, seus olhos eram tão negros como o breu da noite, no entanto brilhavam com a cintilância das estrelas, seus longos cabelos de fios lisos e enegrecidos, quedavam em cascata até o meio de suas costas, eles emolduravam seu rosto redondo e dono de uma beleza estonteante, tive a impressão que Vênus naquele momento havia baixado a terra.

     Só não posso explicar a fragrância deliciosa de seu perfume, ele parecia vir de cada poro existente em seu delicado e bem desenhado corpo, eu nunca havia sentido tal cheiro embevecedor, seu poder atrativo era quase esmagador.

     Fiquei como estático olhando tal beleza inumana, até os meus olhos duvidavam do que estavam vendo, então a adorável garota que aparentava ter seus 19 anos, finalmente me fala:- Cuidado aonde anda gato, você pode esbarrar em algo que não queira, ou que se arrependa de ter esbarrado nele!- o modo como falou foi acompanhado de um sorriso cruelmente sarcástico, mas inacreditavelmente lindo, era como se uma deusa pagã belíssima tivesse naquele momento sorrido para mim.

    Ao acabar de falar-me ela se vira andando com graciosidade de uma bailarina e usando uma agilidade difícil de explicar, pois some rapidamente tomando a direção contrária ao que eu estava indo, dobrando a direita do corredor comprido, pelo jeito estava querendo ir até a secretária da escola também.

    Fico por alguns minutos ainda sem dizer palavra alguma, como se tivesse levado um choque elétrico que houvera me deixado abobado, nisso alguém se aproxima de mim, viro-me deparando-me com uma outra garota, estranhamente ela me dirige um olhar desaprovador antes de me dizer: - Você pelo jeito nunca ouviu falar porque Gandhi andava carregando sempre com ele a figura dos três macacos, o primeiro deles tinha as mãos tapando os olhos, ele não enxergava, o segundo tapava a boca, pois não falava e o terceiro e ultimo tapava os ouvidos, evidentemente porque não ouvia.

     Surpreso com a aparição súbita desta segunda garota, e com o que estava me dizendo sobre Gandhi levar consigo o símbolo destes três macacos, eu lhe perguntei: E qual era o significado do Mahatma levar consigo a figura do trio comedor de bananas?- ela segurando sua mochila dependurada ao ombro direito por uma de suas alças, preservando aquele olhar desaprovador, se bem que eu não conseguia entender o porquê dele até aquele momento, respondeu-me:- Muito simples, como um homem sábio que era, ele queria sempre ao olhar para o símbolo daqueles macacos se lembrar de uma grande lição, não olhe para o mal, não fale com ele e, sobretudo não lhe de ouvidos.

     Achando aquela situação toda inusitada, eu fixo o meu olhar para a menina loira que tinha me feito surgindo do nada tal indagação, para logo depois ela mesma me dar uma resposta interessante do que me houvera perguntado.

- Tudo bem garota, e o que eu tenho haver com Gandhi e os seus três macacos?

- Não só você tem meu caro, mas todos nós na verdade temos, o mal esta por aí, a solta em suas diversas manifestações, e muitas vezes ele pode ser bonito, sensual, extremamente atrativo, por um acaso já ouviu um velho ditado dizer que quem vê cara não vê coração?-ao responder minha pergunta com outra, agora a minha interlocutora já não tinha aquele ar de quem me desaprovava por algo que nem eu sabia o que era, mas o seu semblante jovem e bonito carregava agora uma expressão séria, quase inquisitiva.

     Desviando o olhar para o lado para depois voltar rapidamente na direção do seu rosto sério, respondo-lhe:- Sim, por um acaso já ouvi esse velho ditado, mas não estou entendendo o que este papo todo tem haver comigo, aliás, nem nos conhecemos, acho difícil que saiba algo que tenha haver com os meus interesses pessoais, e só para saber, você costuma sempre agir assim, aparecendo do nada e surpreendendo as pessoas com filosofias e citações de ditos populares?-cruzando seus braços a frente do seu peito, ela endurece mais a sua expressão facial, para depois me replicar:- Tudo bem, talvez a minha abordagem não tenha sido das mais sutis, surgindo assim do nada sem me apresentar. – então ela descruza os braços e estende sua mão direita para me cumprimentar, ao mesmo tempo em que me diz:- Sou Rafaela Gabrielles, estou na sua turma, e sei que aquilo que eu lhe disse, possa soar estranho e sem sentido aos seus ouvidos, mas com o passar do tempo sei que entenderá o que lhe quis transmitir. Neste meio tempo só fique afastado daquela garota com quem acabou de esbarrar e falar rapidamente, o que ela lhe falou foi um aviso, cruel, mas surpreendentemente coerente vindo da parte dela, tome cuidado de quem ou do que você possa se aproximar, porque se te achegares perto da pessoa errada, mais tarde poderá vir o arrependimento amargo, aonde pouco se poderá fazer para buscar ajuda.

     Ainda surpreso com as coisas que me falava, e quase a achando uma dessas fanáticas religiosas, o fato de ter se dirigido daquela forma a interessante garota que esbarrará em mim ali, bem no meio do corredor a instantes atrás, fez com que eu ignorasse tal pensamento ao seu respeito, pois vendo que a conhecia meu interesse se materializou em uma pergunta:- Você conhece aquela garota, quem é ela?-me pegando pelo braço e fazendo-me caminhar em direção a nossa sala de aula ela responde-me:- O nome dela é Camila Armand, e esse efeito que causou em você ela vive causando na maioria esmagadora dos alunos que são representantes do sexo masculino aqui do Dante Alighieri, mas como sua mais nova amiga, lhe volto a aconselhar que fique afastado dela, pelo menos por enquanto, até que possa entender algumas coisas, deu para compreender garoto?

     Assim que estacamos a porta da aula de literatura do Prof. Eduardo Campos, fiz com que soltasse meu antebraço com um movimento aonde eu o trouxe mais para junto de mim, soltando-o, ela munida de um silêncio e agora estando em uma posição em que ficara frente á frente comigo, parece esperar uma resposta a sua pergunta. Compreendendo isso, eu confronto seu olhar fixo com um outro, só que este agora vindo de minha parte, e respondo-lhe:- Tudo bem garota, só que desejo saber o porquê é que tenho de me afastar dessa tal de Camila, sabe não costumo desprezar gatas como ela, e sim me aproximar dessas beldades.

- Hummm...pelo que vejo você está se recuperando bem rápido do seu estado depressivo por causa da perda familiar que sofreu, já está até pensando em flertar, não é?

     Surpreso com o que acabara de me dizer, eu é que agora a seguro firme por um dos seus braços, trazendo-a com força para junto de mim ao puxá-lo, então por entre meus dentes cerrados eu lhe faço a pergunta que não quer calar: - Como sabe tanto de mim menina, pelo que sei é a primeira vez na vida que nos vemos, de onde andou tirando tais informações a meu respeito?

- Não seja patético garoto... - ao responder-me assim, agora é ela que se desvencilha do meu aperto em seu braço, com um movimento rápido e brusco fazendo-me solta-la, então com um olhar fulminante em seus olhos azuis escuros, continua:- Você está em uma cidade pequena, acorda, se alguém der um espirro na esquina ao lado, isso vira noticiário local, todo mundo da cidade sabe de sua estória de vida, do garoto que veio morar com seus tios vindo de Santos, porque perdera á alguns meses atrás seus pais em um duplo assassinato no alto da rodovia Imigrantes que chocou toda a região da baixada santista, saiu na tevê Tribuna, em todas as tvs, rádios e jornais locais, o que aconteceu contigo não é novidade para ninguém aqui em Salém!

     Ao ouvir essa sua afirmação, eu então noto o quanto me distanciei do mundo exterior por causa do meu estado depressivo a qual me entregara por causa da tragédia que se abatera sobre a minha cabeça, nem televisão, revistas ou jornais eu havia acompanhado naqueles últimos meses que se sucederam após a morte sinistra dos meus pais. Sim ela tinha razão, se sem ajuda da mídia da região era possível saber quase tudo o que acontecia naquela cidade pacata e pequena, imagina com a ajuda dela. Mesmo compreendendo como sabia tanto sobre mim, não deixei de ficar zangado por sua intromissão em minha vida pessoal, então eu digo-lhe em tom ameaçador:- Olhe meta-se com a sua vida menina, eu falo e me relaciono com quem bem entendo, e com certeza você não tem nada haver com isso, então me faça um favor, saia do meu caminho.

     Ao terminar de falar-lhe assim, eu me volto na direção da porta da sala de aula, transpassando-a. Enquanto caminho na direção de uma das mesinhas da classe, percebo a presença de Rafaela andando ás minhas costas, ela senta-se atrás de mim e posso ouvi-la dizer quando se inclina para frente para poder falar-me:- Não vou tirar os olhos de você garoto, com o tempo sei que entenderá tudo que tentei lhe passar, apenas lembre-se de uma coisa, pode haver muita beleza no mal, sendo que tal coisa é enganosa, atrás do que aparentemente é extremamente belo pode existir uma feiúra inacreditável que só o maléfico pode trazer consigo.

     Tentei ignorar a presença de Rafaela e suas palavras ditas com tanta paixão e segurança dirigidas á mim pelo resto da aula, eu a achava maluca por insistir em falar tanto no mal, como querendo avisar-me sobre sua presença em minha existência, eu não podia entender o que realmente ela tentava me dizer meio que por metáforas, e muito menos que espécie de coisa ruim estaria me ameaçando, afinal eu achava que aquilo que era maligno, tinha se manifestado em excesso em minha vida, de que forma pior ele poderia agir já daquilo que havia feito desde a perda horrível dos meus pais?

     Isso naquele momento eu não sabia, mas iria com o decorrer dos fatos seguintes, e como já me alertara a própria Rafaela, com o passar do tempo, descobrir que o mal sempre tem novas maneiras de agir em nossas existências, e que para ele, o excesso, aquilo que seria o bastante, não existe.

Continua..

ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

4 comentários:

Milena disse...

Está cada vez melhor. Mal posso esperar para ler a IV parte. Ótimo trabalho

Luiz Neves de Castro disse...

Elton, Muito feliz e honrado com sua integração à Egrégora: Carrancas Literárias. Os Textos e Crônicas do Anjo das Letras, pelo nível, conteúdo dos textos e qualidade na apresentação, encantam e cativam seus leitores e seguidores. Um grande abraço

Cristal de uma mulher disse...

Meu querido já estamos bem ligadinhos.
me encata teus textos me parecem que as letras encontram vidas dentro de nós.
Obrigada amigo pela visita, e carinhos para ti

Vivian disse...

Olá!Bom Dia!

Nossa você escreve de um jeito eletrizante!!! Consegue expressar o psicológico dos personagens!! Podemos sentir as impressões!!Parabéns!!
Eu também sou fã da série Harry Potter!Adorei a saga Crepúsculo!!
Na verdade adoro os livros todos!
Da literatura clássica à fantástica!
Parabéns pelo blog!Voltarei mais vezes!!
Se puderes visite o meu blog!será muito bem-vindo!
vivian-floreselivros.blogspot.com
Atenciosamente