Google Translate

Minha deusa enigmática.

sábado, 25 de junho de 2011.
         Teu cheiro de fêmea penetra em meu nariz audazmente, e o perfume natural dele como flecha pontuda penetra a minha alma que está com suas portas arreganhadas. Arreganhadas às sutilezas e também boçalidades de tua sedução invencível.

         Invencível porque não consigo resistir-lhe ante sua força inquestionável. Melhor é, entregar-me de vez as delicidades de teus braços de mulher da terra e do céu.  Tu pertences à estirpe daquelas mulheres primitivas, antigas, que tiravam do barro do chão e da água do firmamento seu poder místico de senhoras e deusas de tudo que as cercavam.

        Dos teus poros dilatados eu bebo do teu suor divinal, tal bebida Walkeriana ao atingir o âmago do meu estomago, faz com que meu espírito masculinizado tenha orgasmos de uma multiplicidade absurda e de sensações ardentissimas.

        Do entrelaçamento do teu corpo sobre o meu, retiro minha energia vivificante de onde me vitalizo para os combates que tenho de enfrentar em minha existência.

      Na fogueira do Hades dos teus beijos sou incinerado totalmente, para que depois, possa renascer como verdadeira ave fênix em uma nova vida de prazer ao teu lado, de um prazer incomparável e satisfação tais, onde em outro lugar eu não acharia igual.  

      Do meio de tuas coxas adoráveis descem sobre mim um rio transbordante de águas mágicas que, suavizam com o sentimento de um deleite único o meu corpo, e curam minhas feridas espirituais com o simples e milagroso toque delas em meu coração carente de tua redenção sensualíssima e de natureza sobrenatural.

ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

E tu ó mulher, queres ser a minha deusa enigmática? 

1 Comentário:

AS disse...

pudesse eu escrever tais palavras tão Walkerianas e cheias de sentido cobertas de paixão, sedentas desse amor que te faz de modo tão sagrado unir seu vulcão em minhas àguas

pudesse eu rasgear o tempo dos tempos e ama-lo pelo que é somente pois sua simplicidade entorpece meus passos deleitando meus olhos e abrindo meus sentidos

roguei a Gaya e meu corpo te chamou, meu ser te deseja oferecer àquele Osculo que só meu ser te sabe dar que toda eu sou para você

roguei a GAya e lhe ofereci meu corpo para ti num acto sublime e único de intimidade visceral e espiritual

roguei a GAY e lhe ofereci meu ser somente para ti sentindo seu corpo chegar junto ao meu

roguei para GAYA e me ofereci toda me dei toda a você que de modo sagrado nos consagrou junto do rio perto da nossa árvore onde você me consagra voluptuosamente sem sabermos de quem são as mão quando nos tocamos. sem perceber onde começa e termina cada um

Roguei a GAYA e me fundi em você
Roguei a GAYA e senti todas as lutas travadas em meu corpo, mente, coração, mas e jamais esqueça recebi a força de continuar a lutar ...

Olhou para mim e me osculou com num momento de ponte de um céu estrelado onde meu desejo se fundiu no seu e passamos a ser um


e GAYA sorriu....

TEXTOS E CRÔNICAS DO ANJO DAS LETRAS. © Copyright 2007 - 2017 | Design By Gothic Darkness | Editado por Lizza Bathory