quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O oitavo pecado!


            Teus olhos azuis expressam as delicias de um oceano de sensualidades sem fim, o olhar que procede deles marcam a minha alma masculina com o sinete de uma grande excitação sensual. Teu rosto é dono de uma beleza afrodithiana, ele é o próprio êxtase de uma perfeição estética que, foi perdida há séculos nas brumas do tempo.

            Teu corpo é um templo de tentações irresistíveis, terror para os santos que temem perder a castidade ao contemplá-lo com seus olhos dedicados a virtude da modéstia. Tuas curvas parecem ter sido desenhadas por um Deus grego sarcástico, que se presume tê-las desenhado com tamanha perfeição geométrica com uma só intenção, de poder assistir o divertido espetáculo dos homens caindo aos teus pés, como um grupo de zangões que soçobram ante a presença de sua abelha rainha.

           Quando sinto o cheiro de mulher de natureza selvagem que sóis tu, rendo-me sem resistência a maciez de suas delicadas mãos e ao poder desmesurado de sua alma de Perséfone latina.

           Do cálice de tua boca de contornos libidinosos, bebo do vinho extasiador de uma luxuria desmedida em seu ardor e em seu paladar vulcânico.  Da carne de teus lábios vermelhos, roubo aquele beijo delicioso que precipita a minha alma nos abismos em chamas de um prazer de sensações indescritíveis.

           Dizem que os pecados capitais são sete, enganam-se aqueles que se dedicam a esse ensinamento equivocado, esquecem-se do oitavo pecado, e ele és tu, oh, mulher dos meus sonhos mais libertinos.

ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS. 

2 comentários:

MARILENE disse...

Você tem um especial estilo ao lidar com a sensualidade em seus versos. Lindo poema!

Bjs.

@PallomaAranda disse...

Você escreve muito bem! Ao ler, é como estar lá.