quarta-feira, 6 de junho de 2012

Seliny. – I Parte – Andando em um beco sem saída!!!

“A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero”. – (Victor Hugo).

            A noite dominava o mundo inteiramente já há algumas poucas horas, e Seliny andava apressadamente por Ares Ville, uma pequena cidade litorânea, tomada por um sentimento de desespero quase impossível de se suportar.

            Era-lhe impossível acreditar que tivesse feito aquilo novamente, afinal prometera a si própria que, não iria se entregar mais uma vez aquele tipo de ato, que em sua opinião era ignóbil e de natureza inominável. Seus lábios de onde ainda escorriam o sangue rubro e quente de sua mais nova vitima, denunciavam a atrocidade do que fizera há alguns poucos minutos atrás.

            Por mais que se reprovasse interiormente pelo que praticamente fora obrigada a fazer pela necessidade de sangue , ela parecia ouvir as vozes de seus instintos de animal predador e selvagem que se tornava naqueles momentos de sede insuportáveis, gritando dentro de si: - Conforme-se Seliny, você é uma assassina, é isso em que sua natureza se tornou e não tem como remediar tal fato, se aceite plenamente então, convença-se que acabou se tornando um monstro bebedor de vidas, de sangue, um nosferatu, uma vampiraaa!

           Tomada por aquelas vozes bizarras, Seliny para de andar estacando bem no meio de um beco escuro onde naquele mesmo instante se encontrava, não suportando aquelas verdades terríveis que lhe eram gritadas em seu interior, ela cai de joelhos ao chão, e com as mãos aos ouvidos, tenta sufocar aquele vozerio maldito que ecoa no âmago de sua alma, então de sua garganta rompe um grito desesperado de dor e negação:- Nãooooo...

          Após ter soltado tal grito ela prorrompe em um choro sofrido e desesperado, é então quando sente passos se aproximarem de si, obrigando-a a abrir os olhos molhados pelas lágrimas e baixar as suas mãos retirando-as das aberturas dos seus ouvidos, e perceber que não estava sozinha naquele beco aparentemente ermo e escuro, onde em seu chão estava agora ajoelhada, então suas retinas úmidas vislumbram uma face de um rapaz que saindo da penumbra onde antes se escondia, lhe estende a mão dizendo-lhe: - Calma, não sei o que aconteceu com você para que se encontre neste estado de puro desespero, mas acho que uma boa conversa com alguém que realmente deseje ajudar, lhe pode ser de grande valia.

         Seliny nunca soube explicar o que lhe ocorrera quando ouvira o tom amistoso daquela jovem voz pela primeira vez, pois quando ela lhe chegou aos ouvidos, inexplicavelmente, parecia que uma grande onda enérgica de esperança havia subitamente tomado conta do seu coração, substituindo todos aqueles sentimentos de horrível desesperança e dor cruciante que tinham tomado conta dele, devido os recentes e tétricos acontecimentos que ocorreram naqueles últimos dias em sua vida.

Continua...

ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

Desculpe, assim que nos conhecemos eu só quis ser perfeito para ti, entretanto fracassei neste intento, sabe um dia cheguei a acreditar que o nosso amor estava escrito nas estrelas, agora tudo parece mostrar-me que a minha visão neste sentido estava errada. O que me resta agora é sentar diante da lua, e chorar, ouvindo aquela que foi um dia nossa canção de amor:  The reason - ( Tradução da canção).

Leia aqui o segundo capitulo da saga: Seliny. – II Parte. - Caminhando sobre as sombras das inquietações!!!

Um comentário:

Kamylla Cavalcanti disse...

Obrigada pela visita ao meu blog e pelas lindas palavras! Amei seu espaço é cruel, devastador e intenso (coisas que gosto)!
bjs e até mais!