Google Translate

Para a menina de 2,33 metros!!!

segunda-feira, 1 de julho de 2013.
     A mulher mais alta do mundo, a chinesa Yao Defen, com 2,33 metros, morreu aos 40 anos em novembro de 2012, devido a complicações provocadas por um tumor na glândula pituitária.

     Quando li a notícia, pensei nos problemas pelos quais passou. E imaginei a adolescência de mulheres altas como Yao.

     Como deve sofrer uma adolescente de 2,33 metros!

     Se já é incalculável o sofrimento de uma menina de um metro e setenta, como diz minha filha, imagine o de uma moça de altitude!

     Desde pequena, ou seja, desde grande, os problemas de uma adolescente gigante são de grandes dimensões, eu penso.

     Está condenada a olhar as coisas sempre por cima. Deve ser triste se enxergar Gulliver num país de anões.

     Desde cedo, o transtorno de não caber nas telas, nas fotos, nas festas. Todos olhando esquisito, com desprezo. Sempre à frente um terremoto potencial.

     Nos seus sonhos, ou, para ser mais preciso, nos seus pesadelos, vemos, e ela vê bem mais: os solos rachados, portas quebradas, pistas tremendo, namorados pisados ou esmagados sem querer.

     Suada, ela acorda, senta na cama de súbito e bate o chifre num dos caibros do telhado.

     Em outros pesadelos, se vê nos restaurantes mais movimentados, com as multidões a lhe vaiarem a altura, varando o teto e avançando pro alto, a desafiar as nuvens.

     Mas se eu encontrasse uma menina de 2,33 metros eu lhe diria: menina linda, a incompreensão não atinge só você, afeta também meninas mais baixas, umas gordinhas, outras com bastante espinha, outras com um seio só, outras com gostos exóticos, enfim, tem uma porção de meninas diferentes, que provocam nos não-diferentes a inveja dos que não vivem em série, como uma massa de torcedores de futebol, ou adoradores de ídolos.

     Menina, você nasceu para ser ídolo, pois, só os que destoam podem ser ídolos.

     Ah, menina de 2,33 metros, tivesse eu tua altura e vinte anos de idade, bailaria com você em cima das ondas do mar!

     Tivesse eu 2,33 metros e vinte anos, voaríamos pelas ilhas do amor desconhecido!

     Tivesse eu 2,33 metros e vinte anos, iríamos aos lugares encantados, seguiríamos coelhos corredores e tomaríamos chá com Alice!

     Entraríamos em restaurantes maravilhosos e todos nos olhariam com seus olhares maravilhados!

     Tivesse eu 2,33 metros e vinte anos de idade, exploraria seus olhos com toda a minha habilidade de nauta dos azuis!

     Isso eu diria para uma adolescente de altitude.

     Só por um momento, me faria pequeno, e me perderia em suas pestanas e usaria seus cabelos como cachoeira!

     Mas, no momento, só posso dizer: descanse em paz, Yao.

1 Comentário:

Ana Bailune disse...

Lindo texto. Acho que Deus faz alguns de nós diferentes exatamente para exercitar em todos a capacidade de lidar com diferenças. E nem percebemos que, no fundo, além da nossa suposta igualdade, somos todos - absolutamente todos - diferentes uns dos outros.

TEXTOS E CRÔNICAS DO ANJO DAS LETRAS. © Copyright 2007 - 2017 | Design By Gothic Darkness | Editado por Lizza Bathory