Google Translate

No bar do Otanias - ( ou José e Josete)!!!

sábado, 16 de novembro de 2013.

     
                A loja é pequena, mas jeitosa. Paredes em tom azul-claro. Tudo muito limpo e organizado. Ela, a esposa, é a mais organizada dos dois. Adora coordenar e organizar a contabilidade. Ele, o marido, gosta preferencialmente de atender as pessoas. É um piadista incorrigível, fazendo uso dessa sua habilidade junto aos clientes.

                Caro leitor, não sei se lhe falo por que…decidi: vou falar. A história é inusitada, como toda história real. Se bem que, hoje em dia, o real é que surpreende. Como aquele caso que esteve em todos os jornais da semana passada.

                Lembra? Um casamento que houve inusitado. Ele se tornou ...Entra naquele site, o vírgula.uol que você vai saber em detalhes. O título da matéria vai tar assim, ó: “Após nascer com sexo trocado, casal transgênero se apaixona em terapia”. E lembra aquele outro caso? Do cara que tinha duas mulheres cadelas, pagou faculdade pra elas e elas não…Não, espera lá. Você não tá entendendo, é isso? Tou indo muito rápido? Então, entra na internet e depois a gente conversa. Vê lá vocabulário de sadomasoquismo. Vai na Wikipédia direto. Não posso falar sobre o caso assim, sem que você leia alguma coisa antes. Ao menos, contacte a superfície do assunto.

                Voltemos à comerciante e seu marido. Falemos primeiro de José, um nome simples, né? Sem parangolés. Não é como Anaxímenes ou Asclépio Usurpino. É José. Assim só. Quase um sussurro a dois tempos. Um pra cada sílaba: JO-SÉ. José, filho de Dona Guiomar. Esta foi uma excelente doceira, tendo falecido quando ele tinha vinte e sete anos.

                Guiomar morrera feliz, olhando suas roseiras à janela. Fora caindo pra trás, num lance quase cinematográfico. Quando a cabeça bateu no chão, sua alma saltou pra fora. A alma olhou o corpo desconfiada. Pensou em pegar uma pá pra recolher os restos. Durou um instantinho isso, pois uma mercedes de luz dourada a sugou. Diz-que o motorista tinha pele de rubi. Verdade? Não sei. Só sei que tá na boca do povo. O fato é que ela gostava de mercedes e de rubis. Não teve nenhum dos dois em vida.

                José era apaixonado, apaixonadíssimo, pela homossexual Josete. Se conheceram quando sentaram ambos naquele banco de praça do Largo do Sapo. Olharam-se e já sentiram os corações acelerarem. Ela ficou confusa. Sempre gostara de mulheres. Ele ainda não sabia dessa peculiaridade. Vestia-se ela como uma mulher comum. Um pouco até como adolescente. Suas pernas à mostra ainda eram convidativas apesar de uma mancha aqui e ali. E, de idade, ela devia beirar os quarenta e cinco.

                Tiveram um encontro no outro dia. Dia que foi marcante, pois José presenteara Josete com uma sacola de chocolates. E depois muitos outros encontros houve. Daria, de modo matemático, para somar os encontros e tirar como resultado um só ENCONTRÃO, na sucessão dos meses.

                Quando estavam já num estágio maduro da relação, ela lhe contou sua vida. Falou das ex-esposas, ex-namoradas, ex-paqueras, de um ex-namorado, única exceção masculina no leque de suas ligações. Brigaram tempos depois. Resolveram dar um tempo na relação. Ele tentara aceitar as lembranças dela, porém, já estava cansado de a toda hora ela relatar sobre seus amores do passado. Não parava de recordar.

                José entristeceu. Seria ela um amor impossível? Como iria conviver com uma mulher que poderia trocá-lo por outra? Ele fora educado no extremo código conservador do cristianismo mais ferrenho. Fora o mais denodado defensor da cura gay nos tempos do Felicianuretto, um italiano ex-gay que odiava gays e que fizera polvorosa nas igrejas novíssimas há três anos.

                Coitado de José. Seu coração era agora um vulcão em erupção, vertendo uma lava de emoções inauditas.

                Josete ficou arrasada. Um homem aparecera para revolucionar suas concepções. Tentara, antes de conhecer José, se envolver com uma garota que frequentava todos os dias o bar do Otanias, conhecido por todos daquele bairro como Otan. Uma dançarina de nome Karen, que odiava o nome Karen. Gostava de ser chamada de Skar Got.

                Karen era feminina, mas, se sentia um homem. Gostava de fazer delirar carnes fêmeas, regando-as a muito carinho, descontando o que seu pai não fez com sua mãe. Karen era uma mulher na carne, mas não se sentia tal no espírito. José, antes de conhecer Josete, achava as relações homossexuais uma aberração. Onde já se viu? Isso vai contra a Bíblia, Deus.

                Ah, os pais de Karen eram de uma igreja evangélica, uma tal de Bolinhos de Chuva de Deus, uma entidade bem ortodoxa.

                Uma vez, Josete, para disfarçar o amor que curtia pela dançarina, seduzira Rogério, um professor quase cego, que assim ficara devido a um jato de cola poderosa que lhe atingira o olho direito.

                Rogério, o homem seduzido, morava do outro lado da cidade. Era casado com uma mulher que, por sua vez, ainda não tinha rompido os elos com o ex-marido, ao qual sempre visitava na prisão, sem Rogério saber.

                Possuía uma grande coleção de pássaros engaiolados. Demonstrava enorme sensibilidade com os mesmos. Principalmente quando os via presos em suas pequenas jaulas. Tinha um prazer quase mórbido nisso.
Josete só se atrevera a dar-lhe uns beijinhos. Era o suficiente para o professor? Não, ele tinha de esperança de avançar mais e mais.

                Gozo mesmo Josete tinha ao deitar com Karen. Ali, havia um cuidado e um carinho que Josete nunca gozara em suas relações anteriores. Bem, ela foi pegando nojo de Rogério. Um nojo incontrolável. Dispensou-o. Sem tato, porém.

                Karen conseguira um emprego em São Paulo com uma ex. E Josete não precisava disfarçar mais nada, nem mesmo sua dor de corno. Voltou a mostrar suas reais preferências vulvânicas.
Não teve remorso do que fez com o homem. Todo homem para ela merecia punição. Como seu tio, que a pegara muitas vezes no colo, de forma não muito inocente.

                Rogério arrasado estava no bar do Otan tomando uma, quando lembrou de um comentário de Josete, sobre ter chorado quando o tio furou os olhos de um canário com um alfinete. Será que choraria ela por ele? Comprou uma cola daquelas de colar aço e aplicou no olho bom. Não fez muito barulho. Só enviou uma carta a Josete falando que fazia aquilo por ela, imaginando-a em prantos, mas ela nem aí para a dor dele.

                O grande problema se estabeleceu quando apareceu José. Fodeu tudo. Ficou Josete mais sensível ao sofrimento dos homens apaixonados? Por que não fazia tal como fez com Rogério? José plantara uma erva de amor em suas veias? E como esse tempo que deram a torturava!

                Um dia, estava ela, intranquila, a fumar um cigarro, nas imediações do bar do Naldo, fronteiro ao bar do Otan, e notou José a cambalear ao lado de um de seus grandes amigos de infância, o Sombra. José também a vira. Foi só se enxergarem numa quase-fusão de faces, pra se atirarem um nos braços do outro. Se deu assim: os olhares se encontraram. Tentaram ficar de costas, no entretanto, de súbito, se voltaram, ficaram frente a frente, imaginaram o diretor, técnicos, cabos-man, câmeras, gruas, talvez uma música de fundo, aquela de Ghost. Perdoe o gosto deste escritor, que não é cult.

                Correram aos braços um do outro, então, em câmera lenta.
- Eu te amanheço. – Esta a maneira de dizer te amo dele pra Josete. Um código que estabeleceram para substituir a palavra amor, tão vulgarizada. Ela lhe disse em resposta:
- Eu me anoiteço sem ti. - O Sombra, que não gostava de nada melado, saiu de banda, enquanto os dois passarinhos entrelaçavam os biquinhos. José disse a Josete que estava disposto a fazer tudo por ela. Que ela o aguardasse. Ele sumiria por dois anos. Mas estaria fazendo o melhor pelo futuro de ambos. Josete concordou e ficou na expectativa.

                Dois anos era tanto tempo, pensava ela. Mas também não era nada. Ou por outra, poderia se livrar dessa dependência que sentia em relação a ele.

                Josete tentou se ligar a outras pessoas, particularmente, mulheres. Mas dentro dela um grande transatlântico de amor já fundeara.

                Um dia, no bar do Otan, estava ela a tomar uma cerveja. Olhava as meninas ainda com olhar de tesão. Porém, sentia uma lealdade com José que a impedia de levar avante seus desejos.

                Na porta, alguém lhe mirava com volúpia. Uma mulher morena, chique, bem maquiada. Parecia até uma dama da alta sociedade. Josete não percebeu esse assédio.
A “chique” se aproximou:
- Oi, você é daqui?
- Sou.
- Me pediram pra entregar isso pra ti.
Josete olhou para as mãos da outra e pegou a sacola que lhe estendia. Era uma sacola com chocolate suficiente pra todo o mês. Quem terá pedido pra entregar-lhe? Teria sido….Será?
- Foi o José que mandou? Onde ele está?
- Foi sim. Ele está aqui.
- Aqui. Onde? Me diga logo.
- Sou eu, minha manhã de sol.
- Você?
- Sim, troquei de sexo por ti. Tomei hormônios. Sou agora a mulher com a qual você sempre sonhou. E minha voz? Gosta?
- Não? Não creio.
- Sim. Pode crer, minha bela. Meu nome agora é Guiomar.
- Guiomar, que nome bonito…Me beija logo.
Ambos se beijaram febrilmente, dava pra se ver os fogos explodindo na alma dos dois.

                Josete, pra não ficar em desvantagem, tratou de providenciar a sua masculinização. Ganhara pelos, cortara os cabelos. Só não conseguiu trocar de sexo. Nem abandonar os vestidinhos. Nem o hábito de comprar sapatos de salto alto. Deixaria pro outro ano a mudança de sexo. Por enquanto, Jos…., digo, Guiomar, ia ter de se contentar com carinhos, dedinhos e consolos.

                Ambos, no intuito de aumentar a renda, abriram um sex-shop. Um negócio bem promissor nos dias que correm.
Lá vem Guiomar. Ela, ou seja, ele, entra, ajeitando vestidinho e brincos, falando em minha direção:
- O que o senhor deseja? Temos acessórios de todos os tipos. Veja essa bocetinha de vinil, essas bonecas, e este joãozinho rosado que chegou da Holanda….

 - NATANAEL GOMES DE ALENCAR.

A imagem que ilustra o texto publicado acima é do casal transgênero norte-americano: Kate Hill de 19 anos-(a esquerda da foto)- que nasceu como menino chamado Luke, e Arin Andrews de 17 anos-(a direita da foto)- que nasceu como menina chamada Emerald.

Conheçam a real história deste casal, colando e acessando este link de página em seu navegador:

http://www.hypeness.com.br/2013/07/ele-nasceu-menina-ela-menino-hoje-formam-um-casal-que-luta-contra-o-preconceito/

Comentários:

TEXTOS E CRÔNICAS DO ANJO DAS LETRAS. © Copyright 2007 - 2017 | Design By Gothic Darkness | Editado por Lizza Bathory