sábado, 25 de janeiro de 2014

Pobre menina rica!!!

         Tu podes pensar que tens o mundo em tuas mãos, entretanto digo-te que tudo é muito passageiro. Pobre menina rica, é, eu sei, acreditas demasiado em teu poder. Afinal, quem pode resistir ao esplendor de tua riqueza e beleza? Teus amigos chacais nunca resistem e te devoram vagarosamente, como ratos sobre queijo ou restos.

        Hoje, teu pai, importante empresário, fechou outro grande negócio. No entanto, eu sei que nem tens consciência disto, pouco importando para ti como o dinheiro chega à tua conta bancária. Apenas que chegue, isto te basta.

        Mesmo sob clima insuportável, não deixas de ir a lojas de grife para comprar tuas roupas caras;  as vendedoras quase se esbofeteiam para atender-te, afinal elas sabem que suas comissões engordam com teus gastos.

        As pessoas, ao perceberem que teus pés pisam o chão da loja, logo voltam seus olhos em tua direção, admirados com a quantidade de guarda-costas e “paparazzis” grudados em teus calcanhares de diamantes.

        À noite, irás a mais uma grande festa, garçons virão com bandejas que trazem bebidas variadas, petiscos deliciosos e, é claro, muita cocaína para embalar tua alma de neon em curto-circuito. O som da musica eletrônica será alto e gente jovem, bonita e sexy, superficial e insana, superlotará a danceteria em que se dará a tal festa. Sabes que não és mais tão jovem, minha menina. Mas os garotos, que se acham os mais lindos e merecedores de teu dinheiro, brigarão, com armas de sedução, para ver quem premiar-te-á com o falo de fala feliz e furiosa fonética.

        Nesta noite, fui esquecido por ti, mas tudo bem, querida, eu sou apenas um anjo sem sal, porém, o único a te registrar em prosa poética. No fundo, eu sei que, apesar de passares a imagem de auto-suficiente, sabes que não és dona nem de teu eu. Apenas, o que te sobra são ilusões em um mundo de aparências forjadas e pessoas falsamente amigas, e sem verdades nas almas.

       Sei que amanhã o celular tocará e, de algum motel distante, tua voz chorosa clamará, como sempre, pedindo para teu anjo da guarda buscar-te. Buscar-te-ei, sim. Esta é minha sina: ajudar a amada amiga drogada, mais uma vez objeto sexual de outro filhinho de papai, o “falso príncipe” que conseguiu ganhar a aposta de penetrar o corpo da pobre menina rica.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.


Revisão textual e ortográfica realizada por Natanael Gomes de Alencar.

Leia as obras de Natanael Gomes de Alencar copiando, colando e lincando este link em teu navegador:

http://lizzabathory.blogspot.pt/search/label/Natanael%20Gomes%20Alencar?&max-results=5

Um comentário:

Susy Ramone disse...

Belo texto, me lembra alguém que conheci. É como dizem; algumas pessoas são tão pobres que tudo o que têm é dinheiro. Parabéns! beijos