segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Amores e vulvas.

Teus cabelos negros soltos em minhas mãos,
levados as minhas narinas, fazendo-me sentir
o perfume lírico que penetra-me o intimo e fustiga-me com um
prazer incendiante.

Teus gritinhos prazerosos ganham meus ouvidos de fêmea
levando-me a loucura suprema, então abraço-a com a febre
de uma Deusa insana, e beijo-te a boca carnuda, devassa e
portadora dos ósculos mais dionisíacos que possam haver.

Abandonando a tua boca com a minha, voo para teus seios
voluptuosos engolindo seus mamilos com fome animalesca,
depois de mamá-los quase que incansavelmente, levanto meu
dorso e  esfrego meus peitos nos teus, imprimindo em nossos
corpos e almas sensações gozosas a quais nenhuma de nós
duas imaginávamos que pudessem existir.

É sublime amá-la desta forma e sentir-me amada assim por ti,
é como dançar furiosamente com a felicidade e conseguir
ser invadida por um vulcão de orgasmos.

E é no magma vermelho e incandescente deste vulcão que
nos perdemos quando nossos corpos estão deitados um
sobre o outro, corpos em posições invertidas, e as
línguas as quais somos donas, ganhando nossas respectivas vulvas,
fazem com que uma leve a outra ao êxtase mais profundo que
alguém possa chegar. 

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.  

Nenhum comentário: