sexta-feira, 16 de maio de 2014

Meu Anjo Branco.

        Agora eu venho a ti como um poema de amor obscuro. Deslizar sob teu corpo nu como uma água fluídica, lavando cada centímetro de tua pele branca. Depois entrando em teu espírito, agora não mais como água, e sim como um fogo espiritual a purificá-lo.

        Agora venho a ti como um anjo branco a envolver-te com minhas asas, com o intuito de trazer-te a mim, e conduzi-la aos salões luminosos do meu amor seráfico. Um amor que flua como um rio levando-te ao mar dos meus desejos infindos.

        Nunca olhes para o abismo, pois, tu não fostes criada para viver nas profundezas, antes fostes concebida para reinares nos palácios enluarados dos meus braços. Meu corpo é a única terra que te pertence de fato, e minha alma de homem apaixonado é o único lar que te acolherás como bem mereces.

        O que os céus dos céus não podem comportar, teu corpo belo de mulher o podes, e falo deste amor e desta paixão hercúleos que guardo por ti dentro do meu seio angélico.

        Tu és a minha serpente sagrada que levanta teu silvo das entranhas da terra chamando-me aos enlaces dos teus carinhos sedutores. Convocando-me também para aplicares em minha veia jugular com a tua mordida, o teu veneno sublime do mais puríssimo deleite.

        Agora espero-te em nossa alcova feita de paredes escarlates e teto espelhado, e espero-te para enlaçar meu corpo no teu com o intuito de que juntos possamos sentir manifestos em nós o frenesi sexual dos Deuses.

-ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Um comentário:

ॐ Shirley ॐ disse...

Como um bisturi afiado, suas palavras dissecam nossos desejos inconfessáveis...
Beijo!