quinta-feira, 8 de maio de 2014

Vanessa.

        Ventos sombrios sopram sobre a minha alma, ela que é escura semelhantemente a Lilith, e grandiosa como a lua que se dependura esplendorosamente nos céus.  Sou uma princesa obscura que reina no breu dos teus amores impossíveis.

        A vida é como uma afiada lâmina que me corta nos pulsos, e me faz sangrar delírios que descortinam diante dos meus olhos todos os êxtases loucos desta humanidade ferida. Eu sou uma mulher ou uma flecha certeira que te atinge em teu calcanhar de Aquiles?

        Durmo de dia e fico acordada de noite, e é dentro dela, da noite, onde construo meu império de fiéis que me idolatram como se eu fosse uma Deusa neopagã. Minha dança é com aqueles que se vestem de preto e ouvem a musica das guitarras destorcidas, trovejantes e silenciadoras de um céu que antes era tempestivo.

        Meus piercings me servem para calar a dor que às vezes deseja gritar dentro de mim, e meus olhos como espelhos límpidos refletem a ira santa que apenas o meu jovem útero é capaz de gerar. Somente a juventude poderá salvar com a sua poesia simbolista o mundo que resolveu mergulhar no abismo tétrico criado pelos FUNDAMENTALISTAS.

        Agora me deixe beijar a tua boca cheia de desejos, e faça se acender em mim um vulcão de vontades febris, permita-me achar em teus braços todas as ilusões em relação ao amor e ao sexo que um dia eu perdi.

        Tu queres saber qual o meu nome verdadeiro?Abra o teu peito com esse Athame feito de fogo negro e o descobrirás tatuado no interior dele. Eu sempre estive contigo da mesma forma que a morte sempre esteve com a vida.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Dedico essa prosa poética a Vanessa Rammstein Steffen, uma das minhas leitoras mais queridas, e agora, a minha mais nova musa. Uma verdadeira princesa das trevas.

A imagem da foto que ilustra o texto publicado acima, retrata a jovem Vanessa Rammstein Steffen - (São Paulo, 30 de novembro de 1988).  

Nenhum comentário: