quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Gangorra de sensações libidinosas

        Tomo-te com a fome que habita em minha boca, sorvo do suor que escorre em abundância de tua pele, usando o corpo carmim e febril da minha língua. Sim, bebo-a matando toda a sede que tenho de ti. És, a mulher pela qual a minha alma se apaixonou, possuí-la assim com extremada paixão é a minha obsessão de todos os dias.

        Ver-te desta maneira nua, olhos úmidos de desejo, boca entreaberta exprimindo prazer denso, concreto, cabelos amarrados em um rabo de cavalo, seios redondos e fartos exibindo belas e grande aureolas e os mamilos tesos me mostrando que teu corpo nestes nossos momentos íntimos, é um poderoso e grande vulcão, me é uma cena admirável.  

        Palavras não podem exprimir a beleza do teu olhar quando te mostras excitada desta maneira, este olhar parece projetar dardos de fogo em minha pele, incendiando-a, levando-me a beira da loucura sensual.  Os cupidos do prazer carnal aproximam-se e com seu canto místico conduzem-nos a tenda cor de sangue de uma luxúria invencível.

        Beber dos teus beijos de deusa-tupiniquim me é algo inefável e conduz a minha alma masculina a ebriedade divinal.  Ouvir dos teus gemidos que transmitem pura obscenidade, arrepiam todos os pelos do meu corpo, estes gemidos são bela musica para os meus ouvidos que comovidos alegram-se ao ouvi-la.

        No interior deste nosso coito apaixonado, somos fantoches nas mãos das divindades antigas do amor e do sexo, e sem percebermos nós fazemos tudo que estes desejam que façamos. Não compreendemos que este nosso ato de fazer amor é puramente sagrado, pois, nele somos assistidos por um Olimpo repleto de deuses.

        Então, levado por poderosas mãos invisíveis que inventaram o prazer humano da carne, mergulho em ti, invadindo-a com o arpão em riste do meu desejo mais veemente. Cravado em ti sinto uma sensação prazerosa descomunal, discirno que todo o meu ser como numa gangorra, sobe e desce entre o céu, o inferno e a terra.

        Na ultima subida desta gangorra de sensações libidinosas, nós dois, ao contemplarmos o céu, derramamo-nos um dentro do outro, em um orgasmo tão tremendo, que este é capaz de estremecer o orbe terrestre em suas bases mais sólidas.  

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Nenhum comentário: