sábado, 27 de dezembro de 2014

Prostrada diante o altar da minha sensualidade

         Prostrada está aos pés dos meus quereres mais obscenos, afinal, sei que estás comigo já há um bom tempo.  Quantas madrugadas tu já passaste em claro, lendo a minha poesia erótica que, como um imenso fogo, fez teu corpo arder sensualmente repetidas vezes? Oh, eu sei minha querida, tu com certeza já perdeste a conta do quanto.

          Por teres, com atenção, lido esta minha literatura escarlate, que mais parece ter sido escrita por um sátiro, me conheces melhor que ninguém, tanto por dentro, como por fora de mim mesmo.  Um a um, tu conseguiste decifrar todos os meus enigmas, oh, meu anjo de madeixas longas, cintura delicada e fina, pernas grossas e bem torneadas, nádegas firmes, grandes e perfeitamente redondas. E, eu sei que guardastes todas as minhas palavras dentro do teu coração, tenho consciência que fizeste  isto com o intuito de meditar sobre as verdades que elas te diziam, para assim entendê-las e senti-las melhor dentro de ti.

          Meu espírito não se engana, tenho o conhecimento de que me desejas mais do que a própria vida, entretanto, digo-te, que também te desejo com igual vontade e fervor.  Afinal é para ti, e tão somente para ti, oh, seráfica alma feminina, que escrevo estes meus versos, que entoam hinos litúrgicos de louvor à carne.

          Já te vi em sonhos, em cima da cama, acordada, sofrendo de uma enorme insônia, rolando de um lado para o outro, sendo atormentada por pensamentos libidinosos a serem praticados em minha companhia. Nestes sonhos divinatórios, pude escutar audivelmente bem tu me chamares pelo nome.

          Sim, tu conheces o meu nome, afinal, ele te foi revelado em segredo pelas ninfas do amor licencioso sem fim.  Agora, teus lábios profanos podem pronunciar meu nome místico sem temor algum, eu que sou o homem-boto, homem-vampiro, homem-anjo e, plenamente, homem-dionisíaco.

          Tu te prostras desta forma diante do altar sacro do meu sensualismo de anjo-poético, porque tu sabes o quanto precisas dele, apenas tu conheces a tua necessidade toda pessoal em sentir rios de orgasmos a se materializarem, feito um passe de mágica, em teu sexo molhado, quando chegas a se encontrar comigo, através das minhas palavras escritas no papiro carmim da tua anima, apimentadas pelo fogo ardoroso do prazer cárneo-sensual.

          Por tudo isto que acabei de escrever-te nestas linhas, eu te aviso veementemente:  - tu não pertences mais àqueles que te cercam, mas, agora és tão somente minha, o Senhor que traz na sua cabeça a coroa de ouro da cópula, e, em suas mãos soberanas, os diamantes preciosos do gozo- lascivo de sensações intermináveis. 

-ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS


A todas as minhas amadas leitoras que me acompanham há anos, e nas horas mais inusitadas e tardias da madrugada.  Este texto vos é dedicado com muito amor, por mim.  

-Cubatão, 27/12/14, às sete horas e três minutos da manhã. – Elton Sipião o Anjo das Letras. 

Nenhum comentário: