sábado, 7 de março de 2015

Menina das sombras

           Eu nunca vou entender pessoas como tu, estas que colocam uma máscara feita da mais absoluta mentira, que se vestem de uma sedução, aspirando apenas e tão somente enganar um coração apaixonado, ferindo-o completamente.

          Usas a tua beleza jovem para atrair as tuas vitimas rumando-as em direção ao abismo do engano. Teu sorriso lindo é falso, afinal por detrás dele escondes o teu desdém àqueles que tu iludes com imenso prazer.   Ah, pequena flor árabe, me mostrastes por alguns momentos a visão do paraíso, na sequencia, abristes diante de mim, os portões do inferno do teu abandono; descartando-me como se eu fosse um mero e relés dejeto.

          Tornastes a minha poesia amarga, e escurecestes a minha primavera com o eclipse do teu jogo sujo e cruel.  Agora deves estar gargalhando pelas minhas costas, dizendo a ti mesma: - Ah, enganei mais um tolo sonhador que pensou ser capaz de possuir-me por inteira.

          Sim, na verdade é deste modo que realmente me sinto, um tolo sonhador, vitima de quimeras que me foram lançadas em meu encalço por ti; feiticeira negra, dona de sortilégios que como perigosos morcegos, atacam-nos o pescoço, sequiosos pelo sangue vívido que nos pertence.

          Agora, devo esquecê-la eternamente, lançá-la nas chamas do meu desprezo, apagar o teu nome da carne pulsante e carmim do meu coração, proibir a minha boca de um dia enunciá-lo novamente.  Não me esquecerei de vestir-me de saco e de jogar cinzas sobre a minha cabeça, por puro arrependimento de ter-me envolvido contigo, oh, profanadora das consciências inocentes.

          Neste momento os pássaros do amor me cercam, cantam belamente uma canção que desperta a minha alma a um novo recomeçar, ao ouvi-la sinto que o meu espírito volta a florescer, este se sente mais fortalecido para resistir aos poderes demoníacos da “MULHER” que traz em si, como um verdadeiro e maldito oásis; as delícias trapaceiras da maldade e da ilusão.


-ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Nenhum comentário: