terça-feira, 12 de maio de 2015

Mergulhada

      Mergulhas no mar rubro das minhas paixões, deixa-te envolver por suas águas, transformando-se em uma linda sereia de encantos belos e selvagens.  E quando a contemplo assim, desta maneira, senhora de uma beleza que lábios humanos têm dificuldade em descrever, curvo-me aos teus pés, e beijo-os tomado por uma atração invencível.

         Bebes dos meus beijos deliciosos, como se estivesses bebendo do mais doce mel direto do seu favo, degusta-os então com imenso prazer, trabalhas deste modo de forma libidinosa com a tua língua envolvida completamente na minha, dentro de um enrosco que é impossível de ser desfeito.

         Rindo de forma desavergonhada, oferece-me teus seios médios e rijos, desnudando-os diante a minha estupefata visão, fazendo-me salivar como uma criança o faria ao ter bem na sua frente, uma iguaria que ao seu paladar seria irrecusável.

         Tendo desta maneira as minhas resistências quebradas, tomo-os em minha boca ávida, sugando-os febrilmente como se fossem as mais dulcíssimas laranjas que colhi em um laranjal plantado no solo sagrado dos deuses.

         Com certeza tu és a irmã do completo despudor, pois, lidas com o exercício do amor-carnal de forma natural, despida de toda vergonha e cuidado.  A castidade corporal com certeza não anda pelos teus átrios profanos, oh, sacerdotisa de uma deusa-serpente chamada Lilith.

         Ah, como amo assistir o sol nascendo, enquanto cavalgas como uma potranca insana sob o meu falo ereto, que penetrando tua caverna triangular com extremada fúria, leva-nos a erupção de um orgasmo divino.

  - ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Nenhum comentário: