terça-feira, 23 de junho de 2015

Doce invocação

         Invoco-te no puro esplendor do meu amor por ti, recebo a tua aparição de Senhora dos meus anseios inquestionavelmente românticos de uma forma emocionada.  Contigo chega-me a primavera com toda a sua beleza reluzente, te seguindo como fiel companheira também chega a poesia, expelindo para todos os lados a luz lunar das deusas primais.
         
         Deposito em teus pés delicados os meus beijos doces que confessam por eles mesmos, todo este veemente sentimento que guardo por ti em meu coração.  Vejo que hoje ao atender este meu apaixonado chamado, tu vieste até mim vestida com as gloriosas vestes de “SOPHIA”, ah, nem Salomão em seus tempos de pura glória como rei, vestiu-se tão belamente assim.
         
         Ofereço-te mais uma vez, oh, moçoila de encantos infindos, a taça dos meus carinhos intermináveis, do mesmo modo, o encontro afetuoso e sensualíssimo do meu corpo com o teu, em um abraçar tão caloroso, que seria capaz de fazer derreter mil mundos pelo universo afora.   
         
         Em tuas feições habita a perfeita estética de uma luxuria febril e contagiosa.  Olhar para ti é pecar irrefutavelmente contra a pureza da castidade, tamanha a perfeição da tua beleza de Helena de Troia descida dos céus.
         
         Quero-te pelas longas horas que a eternidade pode me oferecer.  Desejo amar-te singrando pelas águas de movimento infinito que apenas a imortalidade possui. Andar ao teu lado para todo o sempre sob o olhar augusto dos deuses, será o meu contentamento primeiro e o ultimo prazer sentido em cada fibra existente do meu ser.

-ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS