Google Translate

Almas sedentas

segunda-feira, 13 de julho de 2015.
         Estou sedento pelo teu amor que transpira desejo em profusão, sempre esperei por ti, no passado, algo estranho nunca deixou de me ocorrer, falo de um sentimento que às vezes me vinha, como se alguém que eu não conhecesse estive subitamente para chegar a minha vida.

         Então, em um dia inesperado tu surgiste e atraíste a minha alma irremediavelmente em tua direção.  Tal chegada me pareceu assemelhar-se com a aparição do sol a expulsar a noite tenebrosa que insistia em fixar morada em minha existência.

         Sim, tudo se iluminou aos meus olhos, e com eles pude contemplar vividamente a face gloriosa da paixão romântica.  Teu sorriso lindo, teu cheiro de fêmea selvagem, teu cabelo longo e sedoso, a maciez incontestável da tua pele, este conjunto de coisas reunidas, me tiraram do sério, fizeram-me perder o juízo, agora me tornei um escravo da tua vontade de mulher apaixonada.

         Tornei-me viciado em teu corpo nu e também na delícia dos teus beijos de espírito desvairado e que me fazem flutuar até as alturas, onde as nuvens brancas se encontram.

         Eu sei que às vezes, tu ficas junta a janela do andar de cima do teu quarto, observando o tráfego da rua, esperando a minha chegada à tua casa, faz isto discretamente, olhando por entre as cortinas, enquanto segura uma xícara de café fumegante que cuidadosamente, levas na direção da tua delicada boca.     

         Então, desta forma, aguarda-me, trajando um transparente babydoll curto, tal transparência desta tua roupa intima, permite-me ver as tuas formas e curvas insinuantes, acendendo em meu âmago a vontade de possuí-la com total e tsunâmica demência.

         Celebro a doçura encantante do teu corpo desnudo, suado, cheirando a puro sexo, sendo ele desvirtuado sensualmente ao ser tocado pelo frenesi das minhas mãos, estas que estão cheias de uma sanha despudorada.

         Nas ilhas paradisíacas dos nossos orgasmos, entrelaçamos as nossas essências anímicas e corporais de tal modo, que, não consigo perceber onde em mim começas tu e onde em ti, acabo terminando eu.

-ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Comentários:

TEXTOS E CRÔNICAS DO ANJO DAS LETRAS. © Copyright 2007 - 2017 | Design By Gothic Darkness | Editado por Lizza Bathory