terça-feira, 19 de julho de 2016

O canto da sereia grega

Tu diante dos meus olhos surpresos és pura tentação, dona de tal beleza exuberante, só me fazes querer-te cada vez mais, oh, donzela inefável. Agora o meu coração só pensa em possuir o teu, sendo que a minha mente não me deixa esquecer-te por um só segundo em meus atuais dias.

És pantera com garras que seduzem, personificas a fera indomável, todos os homens ao te verem imediatamente salivam de puríssimo desejo. E eu não sou diferente de nenhum destes que cortejam a tua formosura que de tão perfeita é privada de um nome. 

Teus cabelos soltos ao vento fazem com que o seu perfume chegue as minhas narinas, então fico extasiado ao sentir tão delicioso odor, apenas uma sereia encantadora traria consigo tal cheiro.  O sentido do meu olfato desta forma me faz tomar-te em meus braços fortes; enlaçando-te em um abraço pleno de um desejo refulgente.

Neste doce momento beijo-te com a fúria de um sátiro tomado por vontades incontroláveis, os meus lábios se inflamam ao entrarem em contato com os teus, deste modo, os nossos corpos são arrebatados até um paraíso de sensações indescritivelmente sublimes.

Dentro deste paraíso eu sou todo teu e tu és toda minha, nossos braços e pernas se entrelaçam de tal forma que nossos troncos parecem se fundir em um só. Tornamos-nos desta maneira em dois seres feitos do mais robusto fogo, e não temos outro jeito a não ser de ardermos no dulcíssimo inferno da nossa deliciante luxúria.

Amo ser teu homem e aprecio desmedidamente que sejas a minha mulher, aquela que derrama no interior da minha boca o vinho vermelho de um deleite simplesmente báquico.  Levado pela tua mão de Circe que me seduz com sua bruxaria de belíssima ninfa, bebo até a ultima gota deste vinho.

Embriagado pela tua bebida mágica, ah, meu amor, sou possuído por vertigens carmins, e em cada uma destas vertigens, vejo-te toda nua, refulgindo a mais clara lascívia, chamando-me para junto de si, com teu canto hipnotizante de sereia grega.

Com isto, a nau do meu corpo; desvairada pelo retumbante desejo, não tem outra maneira a não ser de afundar nos abismos dos teus orgasmos deslumbrantes.

-ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Nenhum comentário: