sábado, 17 de setembro de 2016

O movimento do pecado

Sedutora, eis que ela vem na minha direção movendo-se em posição de gatinhas, fazendo aquela cara sacana de quem deseja milímetro a milímetro de mim, em seus lábios esta mulher possui um sorriso malicioso, aquele sorriso que me mostra o seu total domínio sobre todo o meu ser, sim, eu estou ciente que estou em suas mãos.

Ela se move como um súcubo esfomeado em sugar toda a minha energia sexual, os seus olhos de vampira atraente não mentem com o seu olhar penetrante e dominador; esta fêmea tão dona de si, anseia fazer de mim o seu lauto banquete. Ah, baby, não há para onde fugir, a doçura do toque dela me aguarda ansiosamente.

Seus cabelos loiros soltos balançam suavemente para lá e para cá, enquanto ela vem se aproximando vagarosamente de onde eu estou; sua minúscula calcinha branca é como se fosse uma joia incrustada em sua enorme, durinha, redonda e maravilhosa bunda, seu sutiã meia taça guarda quem sabe extasiado, os seus médios e firmes seios, ambos, tesouros raros de sua beleza sensual feminina.

Suas ancas se movem dentro do movimento do pecado, me parece que hoje será mais uma vez que correrei o risco de ser expulso do paraíso, mas, tudo bem, eu sempre soube que não sou de lugar nenhum. Apenas sei, oh, garota, que a minha sorte está fortemente ligada a dela.

Parecendo uma gata selvagem deslizando sobre o tapete de pelúcia da minha sala, personificada como uma deusa ariana, ela se aproxima salivando desejos de uma serpente voraz; saiba que os seus fetiches e taras são guardados a sete chaves e só são revelados, quando esta se deita com seus seduzidos amantes em seu leito de prazeres vulcânicos.

Quando esta Vênus vampiresca finalmente chega até a mim, ela não me pede licença e com suas mãos hábeis, trata de desabotoar a minha calça jeans e descer o seu zíper, logo depois é a calça que é baixada e o mesmo acontece com a minha cueca boxer, então, com o meu sexo exposto, este é tomado pelo seu toque felino, fazendo com que sensações extasiantes tomem conta de todo o meu corpo e mente.

Meu mastro fálico agora é conduzido a sua boca que neste momento se torna um instrumento preciso para me conceder um imenso prazer, o toque macio dos seus lábios vermelhos e carnudos, assim como o calor das profundezas da sua garganta quase me levam a loucura, vertigens vermelhas, deste modo, tomam conta de mim.

Tomado por uma potente ereção, extasiado, contemplo-a a cheirar a minha glande, para logo após, bater com o corpo peniano do meu falo em seu rostinho que é dono de uma beleza indizível. Da sua boca devassa me saem palavras recheadas de uma obscenidade avassaladoramente dulcíssima.

Tomando-a pelas suas madeixas douradas, eu empurro a sua cabeça na direção da minha genitália, forçando-a a me engolir novamente, querendo com isto sentir de novo aqueles sentimentos deleitantes deverasmente divinais. 

Ainda ajoelhada, ela retira o enorme e ereto membro de sua boca dionisíaca para fazer algo que quase me leva as raias do ensandecimento total, e o que esta sereia safa faz, é sorrir cinicamente olhando-me profundamente dentro dos meus olhos, e digo-te, oh, minha amiga confidente, tal sorriso é carregado de um espírito tão vadio que com toda a minha experiência de homem maduro, eu nunca cheguei a contemplar “um” igual em uma mulher, ainda mais numa tão jovem como aquela.   

Já não suportando tanta excitação em meu corpo e alma, eu a levanto do chão puxando-a pelos seus braços, então, de súbito, ela sobe em mim enlaçando os meus quadris com suas pernas de coxas grossas e bronzeadas, permitindo-se ser penetrada numa estocada só por este seu amante de essência de um sátiro que sou eu.

       Em um movimento de vai e vem de um compasso ritmado que vai aumentando a sua velocidade enquanto o prazer mais e mais nos visita, nós nos entregamos a um coito selvagem e apaixonado, que faz rios de suor descer pelas vias das nossas estruturas corporais. Os nossos odores ganham o ar e penetram as nossas narinas fazendo o nosso sangue ferver, tornando-nos dois animais sexuais prontificados a um devorar sensualmente o outro.  

Então menina, que boquiaberta está ao ouvir da minha própria boca esta estória, tanto eu como ela chegamos juntos ao pináculo mais alto do êxtase carnal, e é neste instante sublime que derramo com toda a fúria para dentro dela, mares seminais infindos do meu orgasmo mais animalesco.

Cansados, mas, satisfeitos por termos alcançado o gozo que tanto buscamos através desta cópula deliciosíssima, quedamos juntos ao chão atapetado, após assim quedarmos, entrelaçamos os nossos corpos transpirados cheirando a puro sexo em um abraço apertado e aconchegador.

Vejo que ao ter ouvido esta experiência sexual vivida por mim tu transpiras desejo por meio dos teus poros, meu amor, é nítido pela tua expressão facial que salivas um querer incontrolável em também ser possuída por mim.

Então venha, sem medo ou preocupação, ao contar-te o que te contei; isto me fez lembrar de todo o ocorrido reativando os meus extintos de amante-predador. Venha provar como eu sei que tu bem queres da minha aferroada libidinosa e, unidos corporalmente, vamos visitar o seio incendiante dos antigos e sacros deuses do amor orgiástico.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

E tu, oh, garota que me lê com tanto afinco e paixão, o que sentes quando entra em contato com a minha literatura de “ORGASMOS VERMELHOS”??? 

Um comentário:

POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

Quanta beleza em sua escrita e nas expressões que apimenta, adoça e enlouquece a mente. Levando o leitor a uma prazerosa viajem. Parabéns.