segunda-feira, 10 de abril de 2017

Isadora

         Meus olhos contemplam em ti uma beleza selvagem, espontânea, absolutamente natural, algo que comove o meu coração. Esta tua aparência fascinante apaixona os espíritos daqueles que se aproximam de onde te encontras! É impossível mensurar esta tua estética física de deusa-pagã.

Inspiro-me quando mergulho no verde esmeralda do teu olhar, oh, ninfa de natureza indomável, isto porque homem algum conseguiu ou conseguirá colocar-te rédeas. Tu és senhora absoluta de tua vontade, diante de ti os senhores de escravos tornam-se teus fiéis súditos.

Tua pele branca exposta à luz do sol é um convite ao toque que imediatamente revela toda a sua maciez que nem no mais perfeito pêssego se encontraria. Há tempos que percebi oh, sereia de encantos inimagináveis o teu cortejo a Dionísio, o quanto que teus lábios vermelhos e atrativos bebem do seu vinho de êxtases divinos.

As rosas do campo se inspiram em tua delicadeza puramente feminina, enquanto que as leoas das savanas da mãe África, vêem em ti toda a sua coragem refletida, afinal és mulher da terra, assim como da água, do fogo e do ar.   

Lembro-me de ti em vidas remotas, quando eu andava em carruagens suntuosas ao lado do faraó do antigo Egito, via-te como a sagrada sacerdotisa de Ísis, a venerável mãe e senhora do rio Nilo. Tu eras tão bela como continuas sendo nos dias de hoje, mantinhas tanto o fogo quanto o incenso sagrados acesos no interior do templo da Grandiosa Deusa-mãe, o povo que vivia sob o esplendor arquitetônico das arcaicas pirâmides, rendiam-lhe tributos de puro respeito e da mais augusta admiração.

Passados muitos séculos desde então, ainda hoje continuas como alta-sacerdotisa das antigas e sacras divindades a ensinar as almas que de ti se aproximam: os mistérios sublimes da evolução espiritual humana.

Tua anima é com certeza um abismo da sabedoria luminífera procedente das deusas do amor divino e ardente, oh, fêmea de traços faciais harmônicos e de curvas soberbamente atrativas, Isadora Lilith, Isadora feminina, Isadora Femy.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Este texto eu escrevi homenageando a sacerdotisa da Grande-Mãe Isadora Femy, mulher de extrema beleza tanto corporal como espiritual.

Nenhum comentário: