quarta-feira, 19 de julho de 2017

Triste adeus

Dizer adeus é sempre muito difícil, ainda mais quando se ama alguém tão desesperadamente, é deste jeito que estou sentindo ao deixar-te partir assim. Em que ponto foi que nossos corações se desencontraram, não conseguindo mais um se ver no outro?

Seguir por essa longa estrada da existência humana sem ti, vai ser muito difícil; tenho certeza que será como descer a um limbo de infinita tristeza. Apenas os anjos conseguirão enxergar as lágrimas que cairão dos meus olhos escondidos pelo breu da noite.

Sei que também ainda me amas, no entanto, preferes te afastar, pois não desejas mais sofrer ferimentos causados pelos dardos mordazes dos nossos desentendimentos. Tenho certeza que irás chorar a minha ausência, recebendo o acolhimento da penumbra da saudade. Então, teu coração partido irá sangrar tanto quanto o meu.

Talvez seja bom darmo-nos um tempo, um tempo para refletirmos sobre nossos erros mútuos, estes que abriram chagas profundas em nossas almas apaixonadas; talvez quem sabe devamos fechar nossos corações para balanço?

Ver-te indo embora desta forma, de mala e cuia, tendo uma lágrima triste a rolar em um dos teus olhos e ainda conseguindo reluzir esta tua característica beleza por todos os poros e, como num filme romântico do passado, depois de ter-te escutado a me dizer adeus, perceber-te a sumir devagarzinho em meio ao fog, me fez sentir um apunhalamento profundo em meu peito.

Desta forma, eu só consigo ser sangria; nestas circunstâncias, todo o meu corpo transforma-se em puro pranto, e torna-se então inevitável bailar com esta sombria dama vestida de preto que se chama dor.

Ter dito adeus foi exagerado ou apenas apropriado para aquele nosso momento de despedida? Sofrer por amor desta maneira nunca deveria ser apropriado a ninguém. Tua ausência é semelhante a uma tempestade silenciosa que acontece apenas no interior do meu coração; tua ausência me conduz ao nada.

Agora, é deixar o tempo passar e curar todas as marcas, cicatrizando nossas feridas; anjos bons hão de descer do céu até nó, com a intenção de consolar-nos no jardim do Getsêmani da nossa agonia.

Eu quero acreditar que o nosso amor seja tão verdadeiro a que um dia ele possa subir a superfície de nossas próprias limitações humanas, conseguindo retornar mais forte, fazendo com que novamente nos entrelacemos em beijos e abraços apaixonadamente avassaladores.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS

Nenhum comentário: