Google Translate

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Sereias lésbicas

Beijaste-me com toda a força da tua paixão por mim, cauterizastes a minha língua com o fogo profano deste teu ósculo, fizeste-me contemplar com os meus próprios olhos a tua forma gloriosa de deusa do amor.  Sou tua mulher, oh, minha menina, no roçar mútuo dos nossos seios, chegamos a arrepiar todos os pelos dos nossos corpos de fêmeas insaciáveis, sentindo um prazer dulcíssimo.

Gosto de ver-te iluminada pela luz amena da manhã.  É lindo testemunhar com o meu olhar estupefato, a tua nudez revelada pelos primeiros raios solares do dia, projetados pelo Deus Hélios. Teus cabelos louros jogados sob o branco dos nossos lençóis dão um belo contraste a tua imagem de bela adormecida deitada sob o leito que juntas nós dividimos. É tocante assistir-te dormir assim tão profundamente, depois de ter tido comigo, uma estonteante noite de amor.

Tenho ainda em minha boca o gosto salgado e febril do teu corpo desnudo, minhas narinas continuam a sentir sob a superfície da minha pele, o teu cheiro de sereia desvairada.  Ah, como isto é simplesmente afrodisíaco, pois, percebendo em mim o teu odor persistente, acende-se em meio as minhas pernas, o fogo incontrolável de uma excitação sensual.

Visitei várias e repetidas vezes o teu sexo molhado com o toque da minha boca ousada, com isto, te fiz revirar os olhos e soltar dos teus lábios, gemidos e palavras de uma obscenidade única. Do mais profundo da tua gruta rosa, eu fiz escorrer, conjurando com o carinho serpentino da minha língua, as águas plenas de sal dos teus revoltosos orgasmos.

Também me deixei tomar por um gozo que possuía em si, uma sensação prazerosa infinda, quando tu cavalgavas sobre mim, esfregando a tua cona vermelha e encharcada na minha. Ali, ao sentir o teu corpo subindo e descendo sob o meu, recebia em todo o meu ser, descargas tempestivas de um deleite completamente DIVINO.

Na morada inexpugnável do meu amor, somente há espaço para ti, oh, Senhora dos meus desejos!


- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

Nenhum comentário: